Últimas

Em Portugal, jogador é expulso por soco, dá joelhada em árbitro e diz: 'Não me lembro de tê-lo agredido'

Um cena insólita marcou o final de semana em Portugal.
Em duelo da terceira divisão, no último domingo, o jogador Marco Gonçalves, do Canelas 2010, deu um soco em atleta do Rio Tinto e foi expulso pelo árbitro José Rodrigues. Insatisfeito, o atacante pegou o juiz pelo colarinho e o atingiu com uma joelhada no rosto, quebrando o nariz do homem do apito. E isso tudo com apenas dois minutos de partida! O duelo acabou encerrado.
O Canelas 2010 é uma equipe formada por torcedores organizados do Porto e já causou pânico nos adversários, que reclamaram de sua forma violenta de atuar.
Em comunicado, o clube - através do presidente Bruno Canastro - anunciou o desligamento de Marco Gonçalves: "O clube condena veemente a atitude irrefletida do seu atleta Marco Gonçalves e não se revê neste tipo de comportamentos. Esta condenável atitude foi um ato totalmente isolado ao qual o nosso capitão, Fernando Madureira, tudo fez para evitar e saiu de imediato em defesa do árbitro e muito contribuiu para acalmar rapidamente ânimos mais exaltados. Face aos acontecimentos, o atleta Marco Gonçalves nunca mais vestirá a camisa do CF Canelas 2010".
Nesta segunda-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou que vai investigar os ataques do agora ex-jogador do Canelas 2010. Além disso, Marco Gonçalves foi chamado a prestar esclarecimentos ao Ministério Público logo pela manhã.
No entanto, ainda na cidade de Gondomar (sede do Rio Tinto), o atacante garantiu à TV SIC: "Não me lembro de ter agredido (o árbitro). Foi o empurra aqui e empurra ali".
Ele disse que se lembra de ter agarrado o juiz, mas não "como aconteceu aquilo".
"Você (jornalista) está dizendo que foi uma joelhada... talvez fosse. Se for esse o caso, eu queria mesmo pedir desculpa ao árbitro, à respectiva família, aos portugueses e à instituição do Rio Tinto", afirmou o jogador, que também se explicou sobre o soco no rosto do adversário, momento no qual toda a confusão começou.
"Ele me disse: 'Seu filho da p..., morte à tua mãe!'. E eu: 'Hein?' Nos pegamos aí, lhe meti o braço, e ele se atira para o chão como os bebês fazem, chorando. O senhor árbitro começa a correr em direção a mim, do nada, e tira logo o vermelho. Vermelho direto? Eu não agredi, fiz o que disse. Estava sendo insultado", assegurou.
Espn

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.