Últimas

"gays têm de morrer" Suspeito de ofender, esfaquear e matar gay na Paulista é preso, mas nega crime motivado por homofobia

Antes de atacar o cabeleireiro com um canivete, o agressor havia ameaçado o grupo, dizendo que "gays têm de morrer".


A Polícia Civil prendeu um homem suspeito de ofender, esfaquear e matar o cabeleireiro Plínio Henrique de Almeida Lima, de 30 anos, na última sexta-feira (21), na Avenida Paulista, região central de São Paulo. Segundo a investigação, o cozinheiro Fúvio Rodrigues de Matos, de 32 anos, confessou o crime, alegando que agiu em legítima defesa, mas negou que a motivação tenha sido homofobia. A vítima era gay.

Câmeras de segurança de ruas próximas e do Metrô, que gravaram parte da confusão e a fuga do assassino, ajudaram a polícia a localizar e prender o auxiliar de cozinha nesta terça-feira (25). Elas, porém, não registraram o momento da facada (veja no vídeo acima).

Fúvio foi reconhecido pelas testemunhas do caso, outros três homossexuais que estavam com a vítima, como o homem que esfaqueou Plínio. Segundo o marido de Plínio e um casal de amigos gays deles contaram à polícia, antes de atacar o cabeleireiro com um canivete, o agressor havia ameaçado o grupo, dizendo que "gays têm de morrer".

O G1 não conseguiu falar com o investigado ou com sua defesa para comentar o assunto.

Em entrevista nesta quarta-feira (26) ao Bom Dia SP, o delegado Hamilton Costa Benfica, do 78º Distrito Policial (DP), nos Jardins, disse que Fúvio alegou que golpeou o peito de Plínio com um canivete para se defender dele e de outros três amigos após uma confusão causada por uma brincadeira.

Antes, ainda de acordo com a polícia, o auxiliar de cozinha falou que caminhava com um amigo pela Avenida Brigadeiro Luis Antonio em direção à Paulista, e que fez uma brincadeira com o colega quando começou a chover, dizendo "anda que nem homem", mas os rapazes, que estavam perto, se ofenderam e partiram para cima dele.
Cabeleireiro morto na Paulista — Foto: Arquivo pessoal

'Anda que nem homem'

"Ele [Fúvio] confessa o crime, mas, segundo ele, fala que foi se defender. Ele está dando a versão que foi se defender dos quatro rapazes e desferiu o golpe com o canivete. Ele nega a motivação homofóbica. Segundo ele, subia com um colega de trabalho a Brigadeiro, fez uma brincadeira quando uma pequena chuva começou, e disse 'anda que nem homem'", disse o delegado sobre o que contou ter ouvido do cozinheiro em seu interrogatório.

"Os rapazes que também subiam à Paulista, o casal homossexual, com outros dois colegas, eles teriam ouvido essa frase e começou um desentendimento", disse Hamilton. "Eles falam com muita clareza que o tempo todo Fúvio vinha falando frases de cunho homofóbico, provocando, falando frases bem fortes, tipo: 'seus bichinhas etc', e no final falou ainda: 'gays têm de morrer'. E foi o momento do entrevero entre as partes, e que Fúvio acabou desferindo com canivete, ferindo o peito da vítima".

Com Fúvio a investigação informou ter apreendido o canivete usado no assassinato do cabeleireiro. Segundo a polícia, o cozinheiro ainda contou que não queria confusão e se disse arrependido. Na delegacia, ele também teria dito que não sabia da morte de Plinio.

Apesar disso, a polícia pediu a prisão temporária do investigado à Justiça, que decretou que ele fique detido por 30 dias até o fim das investigações. Fúvio ainda deverá ser indiciado pelos policiais por homicídio qualificado por motivo fútil. Para a investigação, o cozinheiro matou o cabeleireiro após discussão motivada por homofobia.

"É um homicídio, no meu entender, de forma qualificada porque a questão homofóbica é o motivo fútil", disse o delegado. "Uma pena muito alta de 12 a 30 anos [em caso de condenação na Justiça], que é justificada por tirar a vida de uma pessoa por um fato tão banal".

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.