ÚLTIMAS NOTICIAS

Arena da Amazônia e Vila Olímpica são alvos de vândalos, e prejuízo já chega a R$ 1,5 milhão, diz governo


A Vila Olímpica de Manaus e a Arena da Amazônia passaram por vistoria do governador Wilson Lima nesta sexta-feira (25). Após a fiscalização, ele afirmou que os alojamentos precários, infiltrações, mofo, mobiliário reciclado, depredações, extravios, furtos e falta de segurança, entre outros, sinalizam um prejuízo de pelo menos R$ 1,5 milhão.

De acordo com a Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer do Amazonas (Sejel), existem informações desencontradas devido à falta de controle do patrimônio. Foram identificados o uso de computadores reciclados, bebedouros que não funcionam por não receberem manutenção há anos, além de itens extraviados ou furtados, como notebooks, televisões, portas de alumínio, lâmpadas, fiação e aparelhos de musculação destinados ao preparo de atletas.



Infiltração em banheiro da Arena da Amazônia, em Manaus — Foto: Diego Peres/Secom

A fiscalização passou pelas instalações que abrigam os atletas amazonenses que vêm do interior para a capital, visitou o refeitório e constatou a precariedade de todo o complexo.

“A Vila Olímpica, usada também como espaço para prática de atividades físicas como caminhada e corrida, está abandonada. Hoje as pessoas estão sendo assaltadas porque não há segurança. Os vestiários estão em estado deplorável. Tem uma equipe do interior que está participando de uma competição na capital e está em uma situação precária”, avaliou Wilson Lima.

A piscina olímpica está com as obras paradas desde 2015. “Nós já conversamos com o empreiteiro e com a Caixa Econômica Federal (convênio para a realização da obra) e já estamos repactuando esse contrato para que as obras voltem. As obras estão 36% concluídas e a gente espera entregá-las até o final desse ano”, disse o governador.


Arena da Amazônia, que recebeu jogos da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016 — Foto: Reprodução

Arena da Amazônia

Inaugurada em 2014, a arena passou por obras em 2016, mas o espaço sofre com descaso. Vestiários com infiltrações, gramados em más condições e até furtos de televisores, torneiras e portas foram identificados, assim como problemas estruturais nos vidros (blindex) dispostos nas arquibancadas, sensores de movimento, louças, torneiras e descargas dos banheiros e vestiários, catracas eletrônicas, geradores, elevadores e extintores de incêndio.

Vestiário da Arena da Amazônia, molhado por conta de goteiras — Foto: Diego Peres/Secom

Durante a visita, o governador Wilson Lima adiantou que, além da negociação para repactuar o contrato para retomada da obra da piscina da Vila Olímpica, foi determinado reforço na segurança nos espaços e parcerias para obras de reforma e revitalização.

“Nós também fizemos um levantamento para revitalização da Vila Olímpica, como recuperação do pavimento para que as pessoas possam praticar suas atividades físicas. Já providenciamos também o fechamento de algumas entradas da Vila olímpica, para que a gente possa dar um pouco mais de segurança pra quem vai estar ali naquela área. Fizemos algumas parcerias com a iniciativa privada para que a pintura daquela área e para que aconteça também a recuperação do hotel para receber as pessoas que vêm do interior e dar suporte aos atletas", explicou.

Segundo o secretário da Sejel, Caio André Oliveira, além da prospecção de parcerias privadas, a pasta também está em busca de outras fontes de recursos.


Infiltrações em teto da Arena da Amazônia — Foto: Reprodução/Secom


Portas também estão danificadas em estádio que recebeu jogos da Copa em Manaus — Foto: Reprodução/Secom

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.