Breaking News

RITMO EM ALTA: COPACABANA CHOPPERIA APOSTA EM “FUNK MADE IN RIO” E AGITA AMAZONENSES


Um ritmo musical que a cada período conquista novos adeptos e que faz os amazonenses dançarem até o amanhecer do dia. O Funk brasileiro teve um aumento no consumo de playlists de 3.421% fora do país nos últimos dois anos, o que mostra um levantamento do Spotify.

Foto: Islânia Lima

No Amazonas, muita gitação, alegria, gente bonita e música ao vivo agitaram a madrugada do último sábado (09), no Copacabana Chopperia, localizado na estrada do Turismo, zona norte de Manaus.

Ao som de muito funk, centenas de amazonenses lotaram o espaço, para o lançamento do maior Baile Funk do Norte do Brasil “Made IN Rio”, que contou com às atrações nacionais MC Kevinho, DJ Yuri Martins e convidados.

Com sucessos já conhecidos pelo público, como “Terremoto” com Anitta, “Rabiola”, “Agora é tudo meu” e entre outras músicas, o cantor de funk paulistano agitou os manauaras durante a madrugada no Copacabana Chopperia.

Para o funkeiro amazonense, MC Picolé o crescimento do funk na região norte é um assunto notório no mercado musical. De acordo com ele, todas às casas noturnas e eventos particulares consomem o ritmo.

“Não somente eu, mas todos os colegas que tocam funk no Amazonas, estamos contribuindo para este crescimento. O ‘Made In Rio’ já é sucesso e trazendo atrações nacionais torna o evento bem mais especial e popular no Amazonas”, acredita.

O FUNK NO BRASIL

O DJ Marlboro, um nome reconhecido na cena dos bailes, ganhou uma bateria eletrônica de presente do antropólogo Hermano Vianna, um estudioso do funk. 

Vianna havia conseguido o instrumento com seu irmão, Herbert, vocalista do Paralamas do Sucesso.

Marlboro começou a experimentar com a bateria. Em alguns anos estaria em estúdio gravando alguns dos primeiros funks brasileiros. Entre eles está o sucesso “Melô da mulher feia”, de 1989, baseado em uma versão do 2 Live Crew (expoente do Miami Bass de letras bem obscenas) para um rock da década de 1960. 

Outro pioneiro é Grandmaster Raphael, com músicas como o “Melô da Funabem”.

Os Estados Unidos lideram a lista dos países que mais ouvem funk fora do Brasil. Portugal e Argentina aparecem em seguida. 

Um mapa de calor elaborado pela plataforma mostra o crescimento do gênero no exterior ao longo do tempo.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.