ÚLTIMAS NOTICIAS

Funcionários têm aulas de patrimônio durante restauro e reforma de prédios no Centro Histórico

Uma imersão em bens culturais, na sensibilização, na memória, na história e no patrimônio de cada obra em restauro ou reforma. Assim fazem os colaboradores que atuam nas três obras da Prefeitura de Manaus em andamento, dentro do programa de revitalização do centro histórico, o “Manaus Histórica”.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Semanalmente, os operários das obras de revitalização da Biblioteca Municipal João Bosco Evangelista, do Pavilhão Universal e da antiga Câmara Municipal têm aulas de “Educação para o Patrimônio e Cidadania”, promovidas pela empresa vencedora das licitações, a Construtora Biapó.

“A empresa venceu a licitação, cumprindo com todos os itens do edital, e, além de toda sua experiência em obras de restauro, oferece ainda essa vivência aos trabalhadores. São postos de emprego que se criam, e mais, investe-se em conhecimento e valorização da nossa história, porque esses homens e mulheres que atuam nessas obras passam a saber mais sobre a sua própria identidade cultural”, destaca o prefeito Arthur Virgílio Neto.

Integrando o eixo “Manaus Histórica”, as três obras fazem parte do pacote em homenagem aos 350 anos da cidade e passam por recomposição de características originais e adaptações aos tempos modernos, incluindo acessibilidade.

As aulas de patrimônio e cidadania acontecem numa das salas principais da Biblioteca Municipal e servem para dar aos colaboradores auxílio e melhor entendimento sobre a importância dos locais em restauro e reforma.

“O funcionário passa a entender melhor os serviços específicos de cada obra, que têm suas características. Na biblioteca, por exemplo, há muita presença de madeira no piso, esquadrias no forro e ladrilho hidráulico, enfatizando riqueza de detalhes nos restauros. Já o Pavilhão tem muito mais metal. Todas as obras atuamos como coletivo, com homens e mulheres em todos os serviços”, explica o engenheiro civil da Biapó, Jackson Veloso de Freitas.

As aulas são ministradas sempre em horário regular de trabalho, para que todos os colaboradores possam participar sem prejuízo de suas atividades fora do canteiro de obras.

Resgate cultural

Trabalhando há cinco meses na biblioteca e já tendo a experiência de ter ajudado no restauro do Mercado Municipal Adolpho Lisboa, Oseas Andrade de Oliveira vê como gratificantes as aulas e o ambiente que a capacitação proporciona. “São obras de edificação de restauração e a cada semana aprendemos com a história, com a própria cidade e damos outra importância ao que estamos realizando, ao que estamos reconstruindo para Manaus. E isso vai além da profissão”, diz.

Auxiliar técnica na obra Biblioteca Municipal, Ana Cláudia Vasconcelos poderá dizer, ao final do trabalho, que um pouco de si ficará impresso no restauro da João Bosco Evangelista, com atenção aos detalhes de decapagem de portas de madeira até limpeza de telhas, incluindo pintura e fazer massa.

“É gratificante ter uma oportunidade como essa, de aprender algo que nunca fiz e nunca pensei em fazer. E agradeço ao voto de confiança para me dedicar a um trabalho bonito como esse. No final, vou poder dizer que fiz parte desse progresso”, comenta.

Os serviços estão na fase de finalização de estruturas de cobertura, restauros da fachada e início de novas instalações e reforços estruturais, totalizando 30% de obra concluídas.

Patrimônio

Estão sendo resgatadas na Biblioteca Municipal João Bosco Evangelista características arquitetônicas do prédio, que terá adaptação ao ar moderno do século 21, incluindo sala de projeção, área de acervo em braile, um café box para atendimento aos frequentadores e itens específicos de acessibilidade, como elevador, piso tátil e banheiros para portadores de necessidades especiais.

“Em vários cenários de antigamente, fizemos pesquisas iconográficas do imóvel, trazendo assim a originalidade do local. Por se tratar de um restauro, temos que cuidar de vários aspectos da história, assim aproveitando as peças antigas e substituindo apenas o que não é possível de ser reaproveitado”, explica Daniel Herszon, coordenador técnico do ”Manaus Histórica”.

Para o presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Cláudio Guenka, os projetos do “Manaus Histórica” ganham em viabilidade para seguir a transformação necessária de tão importante região da capital. "É uma determinação do prefeito que possamos elaborar e executar os projetos para que a população volte a frequentar o centro da cidade", salientou Guenka.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.