ÚLTIMAS NOTICIAS

Vacinação contra o sarampo entra em nova fase nesta segunda-feira

O Ministério da Saúde inicia nesta segunda-feira a segunda fase da campanha de vacinação contra o sarampo, desta vez comfoco na faixa etária de 20 a 29 anos. O objetivo é que essa população tome duas doses da vacina tríplice viral (caxumba, rubéola e sarampo) com intervalo mínimo de 30 dias.

Campanha de vacinação contra o sarampo é prolongada em SP
Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Para se imunizar, basta ir a uma das Unidades Básicas de Saúde do município com a caderneta de vacinação. Quem não tiver o registro vacinal, receberá as duas doses.

Na primeira fase da campanha foram vacinadas 400 mil crianças na faixa de 6 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias – esse é o grupo mais vulnerável e sujeito a complicações com a doença. Seis bebês com menos de um ano morreram em decorrência do sarampo neste ano.

Segundo o Ministério da Saúde, outras três etapas da campanha de vacinação contra o sarampo ocorrerão em 2020. A meta é vacinar 2,6 milhões de crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões de adultos. No próximo ano (ainda sem data definida), deverão ser contempladas pessoas de 5 a 19 anos, de 30 a 49 anos e de 50 a 59 anos.

As únicas contraindicações da vacina são para bebês com menos de seis meses e pessoas alérgicas. Para proteger as crianças dessa idade, os pais devem evitar que elas frequentem aglomerações e manter higienização e ventilação adequadas. Quem tem alergia à proteína lactoalbumina (presente no leite de vaca) recebe a dose feita sem o componente.

Surto

O governo federal estima que o surto no País deva levar, pelo menos, entre seis a oito meses para ser totalmente contornado. Nos últimos 90 dias, foram contabilizados 5.660 casos da doença, com seis mortes. Embora a maioria dos registros (90,5%) esteja concentrada em São Paulo, há um número significativo de casos (537) espalhados em 18 estados. O grande número de pessoas com a doença e os focos de infecção associados à baixa cobertura vacinal em vários pontos do Brasil explicam as projeções pouco otimistas. A estimativa é de que 39,9 milhões de brasileiros – 20% da população, estão suscetíveis ao vírus.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.