ÚLTIMAS NOTICIAS

Projetos orçamentários podem ser votados na terça, diz presidente da CMO

O presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), senador Marcelo Casto (MDB-PI), disse estar confiante na aprovação, já na próxima terça-feira (10), dos três projetos de lei que fazem parte do acordo entre Parlamento e Executivo sobre o controle de verbas orçamentárias. O senador pretende levar os textos ao Plenário da CMO logo após uma reunião de líderes, para encaminhá-los em seguida à análise dos parlamentares em sessão conjunta do Congresso Nacional, já agendada para 14h do dia 10. 

Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) realiza reunião de instalação e eleição da Mesa.   Presidente eleito da CMO, senador Marcelo Castro (MDB-PI), concede entrevista.   Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

— Sempre é próprio da democracia que haja alguém que discorde de alguma coisa. Eu posso dizer que há um sentimento difuso para a aprovação aqui no Congresso dessas matérias o mais rapidamente possível — avaliou. 

Marcelo Castro lembou que dois dos projetos modificam a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), para os quais foi designado o deputado Cacá Leão (PP-BA) como relator. O terceiro altera a Lei Orçamentária Anual (LOA) e terá a relatoria do deputado Domingos Neto (PSD-CE). O prazo para apresentação de emendas encerra-se nesta sexta-feira (6).
 
Polêmica 

A disputa entre Legislativo e Executivo começou no fim do ano passado, quando o Congresso Nacional aprovou o controle do Legislativo sobre cerca de R$ 30 bilhões, aumentando, consequentemente, o poder dos parlamentares sobre os gastos públicos. O presidente Jair Bolsonaro vetou o dispositivo, e os parlamentares mantiveram o veto após acordo que culminou no envio, pelo presidente da República, de três projetos de lei (PLNs 2/2019, 3/2019 e 4/2019) com o objetivo de regulamentar o assunto em 2020. 

— Na prática o que o correu? Antes, o nosso orçamento era apenas autorizativo. O governo mandava a proposta orçamentária para o Congresso, que aprovava com algumas emendas. O presidente da República sancionava e poderia executar ou não. Era apenas autorizativo e isso trazia uma dependência muito grande do Poder Legislativo e em relação ao Executivo. Agora, o Legislativo vem se empoderando gradativamente: primeiro pela impositividade das emendas individuais dos deputados e senadores, depois pela impositividade das emendas de bancada e agora pelas emendas de relator — explicou Marcelo Castro. 

Segundo o senador, trata-se de um processo de aprendizagem que vai resultar, no futuro, num orçamento todo impositivo e não autorizativo, a exemplo do que ocorre em outras democracias consolidadas do mundo. 

— Caminhamos para isso. O que precisamos é ter cuidado e sermos prudentes e comedidos. Fazer esse caminhar a quarto mãos — as mãos do Legislativo e as mãos do Executivo — para que um poder não sinta que está sendo subjugado pelo outro. Essa sensibilidade nós precisamos ter. O que nós queremos é fazer um orçamento que possa ser executado e que venha em benefício do nosso país — avaliou o senador.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.