ÚLTIMAS NOTICIAS

Para aumentar isolamento, Doria quer antecipar feriado de 9 de julho

O governador de São Paulo, João Doria, encaminhou hoje (18) para a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) a proposta de antecipar o feriado estadual de 9 de julho para o dia 25, segunda-feira. A medida, caso aprovada pelos deputados estaduais, valerá para todo o estado de São Paulo.

O governador de São Paulo, João Doria, fala à imprensa, após encontro com o presidente em exercício, General Hamilton Mourão
Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

O objetivo do governador é aumentar a taxa de isolamento no estado, que tem ficado abaixo das expectativas, só aumentando nos feriados e finais de semana. Ontem (17), a taxa de isolamento foi de 54%, abaixo do mínimo considerado necessário de 55% para diminuir a propagação do novo coronavírus (covid-19) e evitar um colapso no sistema de saúde.

“A expectativa é de que o projeto possa ser analisado em regime de urgência e possa ter a aprovação majoritária dos deputados da Assembleia Legislativa do estado de São Paulo”, disse Doria.

Prefeitura

Para aumentar o isolamento social na cidade de São Paulo, o prefeito Bruno Covas também propôs à Câmara Municipal para antecipar dois feriados municipais: o de Corpus Christi, em junho, e o da Consciência Negra, em novembro, para que ocorram ainda nesta semana, na quarta-feira (20) e quinta-feira (21). Com a medida, a cidade de São Paulo teria um feriado prolongado, começando na quarta-feira e terminando na segunda-feira (25), com a sexta-feira (22) de ponto facultativo. A votação dos feriados municipais na Câmara Municipal está prevista para ocorrer ainda hoje (18), a partir das 15h.

“Com essa decisão, teremos um período mais prolongado de feriados e, com isso, desejamos ter índices [de isolamento] semelhantes ao dos demais feriados e aos finais de semana”, disse Doria.

O governador recomendou que prefeitos do estado também repitam o gesto do prefeito Bruno Covas para antecipar seus feriados municipais.

Com a antecipação dos feriados, tentando aumentar o índice de isolamento, os governos de Doria e Covas buscam evitar a decretação do lockdown, medida mais rígida e restritiva de isolamento. Segundo Doria, o protocolo para decretar o lockdown já está pronto, mas ainda não deve ser adotado no estado. “Não estamos decretando o lockdown nem recomendando. Temos o protocolo para isso. Mas esta iminência não existe neste momento. Estamos tentando todas as alternativas possíveis para viabilizar o achatamento desta curva, utilizando todos os mecanismos, inclusive esse de extensão de feriados para alcançar bons índices [de isolamento], obtidos nos feriados e finais de semana”, disse.

Segundo o prefeito Bruno Covas, a prefeitura tem feito um esforço em aumentar o número de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) e de enfermaria. A taxa de ocupação de leitos têm sido alta, de 76% em leitos de enfermaria e de 91% em leitos de UTI, o que demonstra que os hospitais municipais ainda estão conseguindo atender os pacientes que precisam de internação por causa do novo coronavírus. Mas próximo da beira de um colapso, o que pode fazer com que nem todos os pacientes consigam ser atendidos nos hospitais.

“De cada dez pessoas que conseguem tratamento aqui na cidade de São Paulo, conseguimos salvar nove vidas. Uma recuperação de 90% das pessoas que conseguem tratamento. Toda nossa preocupação em aumentar o isolamento social é para não deixar que todo mundo fique doente ao mesmo tempo e para que não tenhamos que lotar nosso sistema de saúde”, disse o prefeito.

O estado de São Paulo tem, até o momento, 63.006 casos confirmados do novo coronavírus, com 4.823 óbitos. A ocupação de leitos no estado está em torno de 69,8%, mas já é crítica na Grande São Paulo, girando em torno de 89,3%.

Cloroquina

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, Dimas Covas, alertou hoje (18) que a cloroquina é um medicamento com muitas contraindicações e que só deve ser receitado em alguns casos, sob prescrição médica e autorização do paciente.

“Hoje já tem quantidade importante de estudos publicados, em revistas conceituadas, que mostram claramente que a cloroquina não é uma bala de prata. Ela pode ser útil em situações muito específicas, mas não tem efeito generalizado. Mas ela tem riscos que precisam ser informados ao paciente”, disse.

Segundo o governador de São Paulo, João Doria, caso o protocolo para uso da cloroquina sofra alterações, sendo autorizada também para casos leves do novo coronavírus, São Paulo pode não adotar a medida. “Não se prescreve receita [médica] por decreto. Portanto, São Paulo não vai aceitar que, por decreto, se estabeleça receituário médico.”
Demandas

João Doria reclamou do atraso na liberação de equipamentos de proteção individual (EPIs), respiradores e habilitação de leitos pelo Ministério da Saúde. Segundo ele, metade dos leitos já foi habilitada pelo Ministério da Saúde, mas ainda há 1,2 mil leitos aguardando para serem habilitados. “Dos EPIs, não recebemos nada do Ministério da Saúde, e também dos 200 respiradores que pedimos, não recebemos nenhum. Isso nos surpreende”, disse Doria.

Ministério da Saúde

Em nota, o Ministério da Saúde informou que, até o momento, foram repassados aos estados brasileiros, recursos de R$ 37,9 bilhões, sendo R$ 5,3 bilhões para enfrentamento da covid-19. Para o estado de São Paulo, o total repassado foi R$ 7,1 bilhões, sendo R$ 1,1 bilhão para o combate ao novo coronavírus. Segundo o ministério, foram destinados ao estado mais de 15,6 milhões de equipamento de proteção individual (EPIs), entre álcool, aventais, luvas, máscaras cirúrgicas e N95, óculos de proteção, sapatilhas, toucas e protetores faciais.

"A compra de EPI é de responsabilidade dos estados e municípios. Devido à escassez mundial do produto neste cenário de emergência em saúde pública por conta da pandemia do coronavírus, a pasta utilizou o seu poder de compra para fazer as aquisições em apoio aos gestores locais do Sistema Único de Saúde (SUS). E, assim, fortalecer a rede pública de saúde no enfrentamento à doença em todos os estados do país", disse o ministério.

A pasta informou que tem empenhado esforços para analisar da forma mais célere as propostas de habilitação de leitos de todos os estados do país. Desde o mês de abril, já são 1.638 leitos de UTI no estado de São Paulo destinados a atender pacientes graves ou críticos de coronavírus. Cada um desses leitos receberá a diária de R$ 1,6 mil - o dobro do valor pago normalmente pelo período de 90 dias, que pode ser prorrogado enquanto houver necessidade em decorrência da pandemia.

O Ministério da Saúde informou que entregou também 20 respiradores pulmonares para o estado de São Paulo nesta segunda-feira para fortalecer a rede pública no enfrentamento da pandemia. As unidades de saúde que receberão os respiradores pulmonares serão definidas pela Secretaria Estadual de Saúde.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.