Últimas

Bioeconomia na Amazônia é tema de evento virtual nesta quinta


Webinar terá participação do coordenador de Economia Verde do Ministério da Economia, Gustavo Fontenele; diretor presidente do Grupo Bemol, Denis Minev; e a CEO do Grupo GBR, Rebecca Garcia


Foto: Divulgação/ BLITZ AMAZÔNICO

Nesta quinta-feira (20), representantes do setor público e privado participam, a partir das 10h (Manaus), do webinar “Zona Franca de Manaus: Oportunidades para Inovação e Investimentos em Bioeconomia”, promovido pelo Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam) e organizações parceiras para o desenvolvimento de uma nova economia para a região. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do link: bit.ly/debate-bioeconomia.

O moderador será o diretor de Novos Negócios do Idesam, Mariano Cenamo, e a lista de convidados inclui o diretor presidente do Grupo Bemol, Denis Minev, o coordenador de Economia Verde do Ministério da Economia, Gustavo Fontenele, e a CEO do Grupo GBR e ex-superintendente da Suframa, Rebecca Garcia.

O webinar é o primeiro de uma série de cinco eventos virtuais, intitulada “A Nova Economia da Amazônia”, que colocará em pauta a implementação de uma agenda de investimentos para negócios de impacto e serviços ambientais na região. Será realizado um debate por mês até dezembro.

Neste primeiro encontro, os participantes abordarão os desafios e possíveis soluções para fomentar a bioeconomia como estratégia para redução do desmatamento na Amazônia. O debate também transcorre as oportunidades de investimento através do Programa Prioritário de Bioeconomia (PPBio) para o fortalecimento do ecossistema de inovação na região.

Com aproximadamente R$ 1 milhão já investidos, o mecanismo coordenado pelo Idesam é um dos quatro programas prioritários criados para o aporte de parte dos investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), oriundos da Lei de Informática (Lei nº 13.674, de 11 de junho de 2018) na área de atuação da Suframa.

O PPBio tem o papel de conectar pesquisadores a empresas investidoras para impulsionar soluções para que a biodiversidade se transforme em produtos nas áreas de biotecnologia, tratamento de resíduos, biocosméticos, alimentos, construção civil, entre outros, na perspectiva de uma nova matriz de desenvolvimento econômico, baseada na manutenção da floresta em pé como fonte sustentável de riquezas.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.