Últimas

Em meio a pandeia três agências receberam do estado 13 milhões para esclarecimentos do COVID-19, no Amazonas

As investigações da CPI da Saúde enveredam agora por uma área delicada: a comunicação do governo. Três agências receberam, cada uma, um adicional de R$ 13 milhões para campanhas publicitárias de esclarecimento sobre a Covid 19. 

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Por tabela, sabe-se que cada uma levou R$ 2,6 milhões de comissão, percentual de 20% cobrado sobre os valores da publicidade realizada em jornais, rádios, tvs e sites. A CPI quer saber quem ficou com a parte gorda do negócio, a forma como os recursos foram aplicados e se houve desvios.

Esse é um terreno movediço, contraria interesses de corporações, mas é um teste para a independência com que os deputados da comissão se comportaram até aqui. Se avançarem na areia movediça poderão dar um passo para novas regras de transparência na publicidade do governo. Se recuarem, afundarão.

TUDO POR CAUSA DO PORTELA

O que levou a CPI a aprovar requerimento para investigar gastos do governo na comunicação durante a pandemia foi o depoimento de Nílio Portella, nesta quarta-feira, à comissão, e a revelação de que sua agência a Mene Portella, fez pagamento a Carla Pollake por treinamento em sua empresa. Não bateu o horário do suposto serviço requisitado à publicitária. Ela estava em dia e hora em repartição do Estado, também palestrando…

CAIXA DE PANDORA

A CPI quer abrir a caixa de pandora da Secom, ao menos em relação aos recursos destinados a publicidade referente a Covid 19 : R$ 39 milhões. Não estão incluídos aí os outros R$ 40 milhões gastos pela secretaria de Comunicação até junho.

A CPI é composta por gente de 40 e até 70 anos. Meninos de coragem…

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.