Últimas

Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Como identificar a verdade libertadora numa galáxia de fake-news, ideologias e opiniões? Há quem tenha as suas verdades que estão atreladas aos próprios valores da pessoa. São verdades subjetivas. Podemos compartilhar delas ou contestá-las; aplaudi-las ou vaiá-las. Mas onde está a verdade libertadora? Para mim, está na realidade e no nosso comportamento.

Verdade incontestável: a realidade. Nossos desejos não a influenciam. Há quem adie exames médicos temendo o diagnóstico. Adiá-los não muda o resultado. Enfrentá-lo é angustiante, mas é o primeiro passo rumo à cura se houver doença. Covid: trágica e real. No mês de março, 201 entes queridos perderam a vida para o vírus; em julho, foram mais de 32.000. É como imaginar a queda de quase 110 aviões com 300 vítimas fatais no mês de julho. E há quem suponha que o vírus seja invenção da mídia, quem duvide das mortes e quem acredite em caixões vazios. Coveiros diariamente carregam lágrimas, dores e sonhos destruídos. Somos livres para fugir da realidade, mas não para escapar das consequências do que não queremos ver.

Verdades contestáveis: as individuais. Há quem ao lidar com fracassos financeiros, profissionais e pessoais culpa os outros ou algo, ou lamenta que confiou nas pessoas erradas. Há sempre sinais de alerta rondando nossas vidas. Precisamos estar atentos. Assumir nossa parte nos próprios fracassos, é investir na sanidade mental. Senão, seremos meros espectadores lamuriantes da vida.

Verdade incontestável: somos todos pecadores. O filósofo Baltasar Gracián escreveu: “Melhor não errar nem uma vez do que acertar cem. Ninguém olha diretamente para o sol quando ele brilha, mas todos o fazem quando ocorre um eclipse. Os acertos, por mais numerosos que sejam, não atraem metade da atenção de um único fracasso. Os perversos são mais conhecidos pelas críticas do que os bons pelos elogios. Esteja certo de que a malevolência notará todos os seus defeitos e nenhuma de suas virtudes.” Gracián faleceu em 1658. Suas palavras mostram que os atuais cancelamentos e justiças virtuais são o hábito milenar de atirar pedras em nova roupagem. É de se supor que quem as atira jamais pecou.

Verdade verdadeira. Há quem prefira se embrenhar numa teia de mentiras para justificar erros ou comportamentos. A verdade tem a vantagem de ser econômica por ser uma só, poupar a memória de estresse desnecessário e poder ser repetida. Verdade e liberdade caminham juntas. Uma pessoa que tema ter sua casa e sua vida investigadas, aprisionou sua liberdade e tornou-se exilada na vida. A frase da escritora Helen Keller (1880-1968) reflete, para mim, essa verdade que liberta: “nunca se pode concordar em rastejar, quando se sente ímpeto de voar.”

(*) Formada em Letras, Celina Moraes é escritora e cronista. Autora dos romances “Jamais subestime os peões” e “Lugar cheio de rãs”, que foi vencedor do Prêmio “Lúcio Cardoso” em 2010 pelo 3º lugar no concurso internacional de literatura promovido União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro (UBE-RJ). Ainda teve o conto “Rumo ao topo numa canoa quebrada” selecionado para compor a antologia da UBE, “Contos: História de Amor e Dor”.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.