Últimas

“Este governo deve um pedido de desculpas à população pela forma desumana que conduziu a saúde no Amazonas”,afirma Wilker

Em Sessão Ordinária híbrida da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) desta terça-feira, 1º, o deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) comentou sobre os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Diante das inúmeras irregularidades encontradas pelas investigações da comissão, que vão desde a compra superfaturada de respiradores pulmonares até contratos milionários firmados pela Secretaria de Estado da Saúde (Susam), o parlamentar afirmou que o Governo do Amazonas deve um pedido de desculpas pelos desmandos e desorganização no comando da pasta, principalmente pelas mortes nos hospitais durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

“O governo do Amazonas deve um pedido de desculpas à população pela forma desastrosa, desumana e desleal que conduziu e conduz a saúde no Estado. É estarrecedor as investigações da CPI que comprovam os desmandos com o dinheiro do povo, com contratos que visivelmente nasceram para lesar o contribuinte”, explicou Wilker, que é titular da CPI da Saúde.

Entre as investigações feitas pela comissão, o parlamentar destacou o contrato do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH), Organização Social (OS) que gerencia o Hospital e Pronto Socorro Delphina Aziz, que recebeu R$ 67 milhões do Governo sem cumprir as metas previstas no acordo e devolver apenas 70% dos serviços prestados.

“Não me entra na cabeça que essa OS recebeu R$ 60 milhões a mais, sendo R$ 24 milhões a mais só na pandemia, mas os próprios gráficos fornecidos pela instituição mostram que foram prestados apenas pouco mais de 50% do serviço. Isso sem falar que ainda tem duas parcelas para pagar. O governo se preocupou mais com questões financeiras do que realmente salvar vidas”, relatou Barreto, solicitando que o Ministério Público do Estado (MPE-AM) e o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) apurem a má utilização dos recursos públicos.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.