Últimas

Renda média das famílias brasileiras cresceu 3,3% no 1º semestre de 2020

A renda média mensal das famílias brasileiras cresceu 3,3% no 1º semestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019. Estudo feito pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) aponta que a classe E, mais beneficiada pelo auxílio emergencial, foi a responsável pelo saldo positivo. Eis a íntegra (115 KB).

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Segundo o estudo, “todas as classes sociais mostraram quedas em relação ao 1º semestre de 2019, tanto no total da massa de renda semestral como na média mensal familiar, com exceção da classe de renda E (que teve 1 acréscimo de 61,5% durante os meses de auxílio emergencial considerados)”.

A renda média mensal das famílias, excluindo a classe E, caiu de forma diretamente proporcional ao nível de rendimento: classe A teve queda de 2,1%, seguida pelas classes B (-1,7%), C (-1,3%) e D (-0,8%).

De acordo com o órgão, “a massa de renda das famílias, caso não tivessem sido concedidos esses benefícios [auxílio emergencial], teria apresentado redução de 0,63%, em vez do aumento de 3,3% efetivamente registrado“.

Os beneficiários do auxílio emergencial ajudaram o presidente Jair Bolsonaro a manter altos níveis de aprovação durante a pandemia.

Pesquisa do PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360, realizada de 14 a 16 de setembro, mostra que 49% dos entrevistados aprovam o governo Bolsonaro e 44% desaprovam. A estratificação da pesquisa revela que a maior taxa de aprovação é entre as pessoas sem renda fixa: 51%.

© Fornecido por Poder360

© Fornecido por Poder360

O PoderData também perguntou o que os entrevistados acham do trabalho de Bolsonaro como presidente: ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo. Dos entrevistados, 38% avaliaram como “ótimo/bom”; 34% como “ruim/péssimo” e 25% como “regular”. Entre os entrevistados sem renda fixa, 43% avaliaram o trabalho do governo como “ótimo/bom”.

© Fornecido por Poder360

© Fornecido por Poder360

Veja a pesquisa completa aqui.

Os dados foram coletados de 14 a 16 de setembro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 459 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

NATAL COMPROMETIDO

A FecomercioSP alerta que, mesmo que os benefícios concedidos pelo governo tenham sido decisivos para as famílias brasileiras, “as projeções para o fim do ano são pouco promissoras“.

“Como grande parte do décimo 13º salário já foi pago, mais a redução no auxílio emergencial, não haverá sustentação para o aumento tradicional de consumo da época. Assim, o comércio não espera 1 Natal de recuperação“, diz a federação.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.