Últimas

No Plenário da Aleam, Wilker volta a pedir a última assinatura para a abertura da CPI da Educação

Em Sessão Ordinária híbrida da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) desta quarta-feira, 18, o deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) voltou a falar sobre a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Educação, que já soma sete assinaturas e depende de mais uma para ser instalada.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Na tribuna, o parlamentar fez um apelo aos deputados da Casa para colher a última assinatura e destacou a importância da CPI para apurar irregularidades em contratos firmados pela Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc), após constantes dispensas de licitações na pasta, como a falta de apresentação dos contratos dos 1.300 monitores do transporte escolar do interior - que aumentou em R$18 milhões os gastos - e as suspeitas de sobrepreço na merenda.

“Venho pedir a este Parlamento que possamos colher a última assinatura para iniciarmos a CPI. Se vocês acham que a usam é o problema, vocês precisam ver os contratos da Seduc. Denunciei aqui desta tribuna o caso Dantas, que não caiu no meu esquecimento, e os superfaturamentos da merenda escolar. Precisamos investigar a quanto antes a Seduc, pois são milhões do povo”, ressaltou Wilker, autor do pedido de criação da CPI da Educação e que solicita a abertura da mesma desde 7 de maio de 2019.

Barreto afirmou, ainda, que a CPI da Educação também é um pedido dos professores da rede estadual de ensino, que clamam por transparência e melhor uso dos recursos públicos na Seduc. Outro gasto revelado por Wilker, em 2019, foi a suspeita de superfaturamento de 50% do fornecimento de alimentação para as Escolas de Tempo Integral (Ceti).

“Essa Casa tem o papel principal de fiscalizar os atos do Executivo e não pode ser diminuída pelos atos ilegais praticados por este Governo. No Dia dos Professores, eu vi uma homenagem justa aqui, mas se fizer uma enquete hoje entre os professores do Estado e do município, o maior presente para eles é a abertura da CPI da Educação”, explicou o parlamentar.

Assinaturas

Precisando do número mínimo de oito assinaturas para ser instaurada, a CPI da Educação já conta com o apoio de sete deputados: Dermilson Chagas (Podemos), Serafim Corrêa (PSB), Josué Neto (PRTB), Fausto Junior (PRTB), Sinésio Campos (PT), Delegado Péricles (PSL) e o próprio autor, Wilker Barreto.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.