Últimas

Ramos diz que partidos aliados ao governo saíram vitoriosos das eleições

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, disse nesta 2ª feira (16.nov.2020) que os partidos de esquerda saíram derrotados e os partidos “aliados às pautas e ideias do governo Bolsonaro” saíram vitoriosos das eleições municipais. A publicação foi feita na página de Ramos no Twitter.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Segundo o ministro, que é responsável pela articulação entre o Palácio do Planalto e o Congresso, o salto do número de filiados do PSD, PP, DEM e MDB nas prefeituras mostra que “a esquerda perdeu muito espaço no cenário político”. Eis o que ele disse:


A declaração vem depois que a maioria dos candidatos apoiados diretamente pelo presidente Jair Bolsonaro foi derrotada nas urnas. Pelo menos 45 dos 59 candidatos endossados pelo chefe do Excutivo em “lives eleitorais” não tiveram votos suficientes para se eleger.

A publicação de Ramos também acontece depois que o escritor Olavo de Carvalho, tido como o guru intelectual do governo Bolsonaro, foi ao Twitter nesta 2ª feira (16.nov.2020) criticar o desempenho dos políticos apoiados pelo presidente. Olavo afirmou que Jair Bolsonaro é o culpado pelo resultado. E disse:

“Senhor presidente: Veja o resultado das eleições e entenda de uma vez o resultado de deixar-se orientar por generais”. O ministro-chefe da SeGov é 1 dos generais que compõem o alto escalão do governo Bolsonaro.

O assessor especial para assuntos internacionais do governo, Filipe Martins, afirmou que a esquerda saiu renovada das eleições municipais, análise distinta da que Ramos defendeu. “Ou fazemos a devida auto-crítica, ou nossos erros cobrarão um preço ainda maior no futuro”, publicou no Twitter na madrugada de 2ª feira.


MDB segue líder, mas perde votos

Com a apuração de mais de 94% dos votos registrados nas 5.567 cidades brasileiras que tiveram eleições nesse domingo (15.nov.2020), o MDB se mantinha como o partido com maior número de prefeitos. São 766 eleitos até o momento, com mais 7 a caminho da disputa em 2º turno.

Mesmo líder no ranking do número de prefeituras, ocorre que em 2016 o partido teve resultados muito superiores: 15,1 milhões de votos na eleição anterior, número 28% maior que o do pleito atual.

Já DEM, PP e PSD, as outras legendas citadas por Ramos, tiveram crescimento real na disputa pelas prefeituras. Em 2016, o PSD obteve 8,2 milhões de votos (alta de 77% agora). O DEM teve 5,1 milhões há 4 anos (cresceu 61%). Já o PP (que mudou o nome para Progressistas) havia registrado 5,7 milhões de votos em 2016 (subiu 75%).

O Democratas chegou a 458 prefeituras, 190 a mais que o total de eleitos pelo partido nas eleições municipais anteriores. O crescimento de 2016 a 2020 foi de 70,9%.

PP e PSD, legendas que integram em Brasília o chamado Centrão, grupo de partidos sem ideologia clara com alto poder de influência no Congresso, também tiveram saltos expressivos. O PP conquistou no 1º turno 672 prefeituras (aumento de 35,8% frente ao total de 2016). Já o PSD chegou a 640 prefeitos, número que supera em 101 a quantia alcançada pela legenda há 4 anos.

O PT até o momento conseguiu 189 prefeitos – 65 a menos que em 2016. O partido dos ex-presidentes Lula e Dilma, no entanto, ainda tem a chance de terminar as eleições com saldo melhor que o de 4 anos atrás se considerado o número de eleitores governados. A legenda tem 15 candidatos classificados para o 2º turno nas maiores cidades.

Governo e Centrão

Responsáveis pela articulação política do governo federal, os ministros Ramos e Fábio Faria (Comunicações) lideravam em outubro o número de reuniões políticas com congressistas. O ministro das Comunicações teve 131 encontros desde sua chegada, em 17 de junho. Já Ramos, o articulador oficial do Planalto, registrou 146 no mesmo período.

Os 2 dividem a tarefa. Faria está há 14 anos em Brasília. Sabe aferir a temperatura do Congresso e entender as demandas e interesses do baixo clero. Seu partido, o PSD, citado por Ramos na mensagem desta 2ª, foi o que mais participou de reuniões políticas. Esteve em 35% do total no período analisado.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.