Últimas

Jornalista e opositor do regime do aiatolá, Ruhollah Zam é executado no Irã

O Irã executou neste sábado (12) o ex-líder da oposição Ruhollah Zam, que viveu no exílio na França e participou de protestos contra o governo iraniano. "O 'contra-revolucionário' Zam foi enforcado pela manhã após a confirmação de sua sentença pela Suprema Corte por causa da" gravidade dos crimes "cometidos contra a República Islâmica do Irã", disse a televisão estatal iraniana.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

O porta-voz da Autoridade Judicial iraniana, Gholamhosein Esmaili, indicou na terça-feira que a instituição havia decidido "há mais de um mês" sobre o caso Zam e confirmou "o veredito [anunciado em junho pelo] tribunal revolucionário" em Teerã.

A organização de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional, que descreveu Zam como um "jornalista e dissidente", considerou que a confirmação da condenação mostra que a República Islâmica usa cada vez mais "a pena de morte como arma de repressão”, que chamou de “terrível ”.

A Ong exortou a União Europeia a intervir rapidamente perante o guia supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, para cancelar "o veredito cruel".

A organização de defesa de imprensa Repórteres Sem Fronteiras (RSF), que acusou o Irã de ter sequestrado Zam quando ele estava no Iraque para julgá-lo no país, expressou no sábado sua "indignação" com a execução da sentença.

Zam viveu no exílio na França por vários anos antes de ser detido pelos Guardiões da Revolução, o exército ideológico da República Islâmica, em circunstâncias ainda a serem determinadas.

Sua prisão havia sido anunciada em outubro de 2019, mas o Irã não especificou o local ou a data dos fatos, acusando o oponente de 40 anos de ser "liderado pela inteligência francesa e de ter apoio dos serviços secretos dos Estados Unidos e Israel".

Canal do jornalista no Telegram possuía mais de 1 milhão de seguidores

Em carta dirigida ao presidente francês Emmanuel Macron, a coalizão de democratas laicos da oposição iraniana no exílio pediu ao chefe de Estado que expulsasse o embaixador do Irã na França.

Zam, que tinha estatuto de refugiado na França, dirigia um canal (Adamnews) na plataforma de mensagens encriptadas Telegram e foi condenado por ter desempenhado um papel ativo, através deste meio, nos protestos de 2017-2018 no Irã. Pelo menos 25 pessoas foram mortas nos motins que afetaram dezenas de cidades iranianas entre 28 de dezembro de 2017 e 3 de janeiro de 2018.

Teerã descreveu aquele movimento de protesto contra o alto custo de vida como uma "rebelião" que rapidamente tomou um rumo político.

A pedido das autoridades iranianas, o Telegram fechou o Amadnews, que na época tinha quase 1,4 milhão de seguidores, acusando-o de incitar "violência".

O processo de Zam começou em fevereiro. Em junho, ele foi considerado culpado de todas as acusações de que era acusado: "crimes contra os segurança interna e externa do país "," espionagem para os serviços de inteligência franceses "e insulto ao" caráter sagrado do Islã ".

Com pelo menos 251 execuções em 2019, o Irã é, depois da China, o país que mais aplica a pena de morte, segundo o último relatório global sobre pena de morte da Anistia Internacional.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.