Últimas

Como é o plano de Biden que pode dar cidadania americana a 10 milhões de indocumentados

Em seu primeiro dia como chefe de governo nos Estados Unidos, o presidente Joe Biden enviou ao Congresso uma proposta de reforma da imigração descrita como "a mais progressista da história" do país.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

O plano ambicioso, chamado de Lei de Cidadania, precisa ter o aval da Câmara dos Representantes e de pelo menos 60 dos 100 votos no Senado.

Embora a iniciativa desta semana não envolva ações imediatas, é vista como um passo crucial e importante para regularizar a situação de imigração de mais de 10 milhões de indocumentados no país.

E uma reviravolta nas políticas de imigração implementadas por seu antecessor, Donald Trump.

Vários parlamentares da oposição já se manifestaram contra a proposta, o que promete gerar debates acalorados.

Abaixo, confira alguns dos principais aspectos do projeto de lei, a partir do documento divulgado pelo novo governo.

Um caminho para a cidadania para milhões de indocumentados

De acordo com a legislação, aqueles sem status legal que residam nos Estados Unidos desde antes de 1º de janeiro deste ano podem solicitar uma residência temporária que pode se tornar permanente (também conhecida como green card) após cinco anos.

A partir daí, em três anos eles poderiam iniciar o processo de naturalização como americanos, se assim o desejassem.

Os candidatos terão que passar por verificações de antecedentes criminais, pagar impostos e preencher outros requisitos básicos, relatou o jornal The New York Times.

Nos Estados Unidos, existem pelo menos 10,5 milhões de indocumentados, de acordo com uma estimativa feita em 2017 pelo Pew Center for Research.

Esse número representa 23% da população estrangeira residente no país.

Imigrantes indocumentados dos EUA ficam nesta situação no país por cerca de 15 anos em média, de acordo com estimativas do Center for American Progress, uma entidade liberal de pesquisa.

Por sua vez, essas pessoas têm mais de 10 milhões de membros em suas famílias que não são indocumentados.

Regras especiais para 'sonhadores' e outras comunidades

Diferentemente dos mencionados acima, os beneficiários do programa Ação Diferida para Chegadas na Infância (DACA, na sigla em inglês), aqueles incluídos no programa de Status de Proteção Temporária (TPS) e trabalhadores agrícola "atendendo a requisitos específicos" imediatamente se qualificam para residência permanente.

Depois de três anos, eles também podem solicitar a naturalização.

Os destinatários do DACA, também chamados de "sonhadores", totalizam cerca de 700 mil jovens, mais de 75% deles mexicanos, que vieram para os EUA ainda crianças.

Em junho passado, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu em favor de proteger os jovens da deportação depois que o ex-presidente Donald Trump rescindiu o programa em 2017.

"Não são ideias novas, mas o fato de estarem propondo um programa de legalização para quem está no país antes de 1º de janeiro deste ano é algo grande e mais direto do que as iniciativas que vimos no passado recente", explica Julia Gelatt, Analista de Políticas de Migração no Migration Policy Institute (MPI).

Considerações sobre vistos e reunificação familiar

O projeto também trata de uma reforma do sistema de imigração para as famílias, "eliminando longos tempos de espera, sanando a saturação de atendimentos" e aumentando as vagas disponíveis para as famílias de acordo com seu país de origem.

Nesse contexto, o projeto também contempla que os imigrantes cujas petições familiares tenham sido aprovadas possam se reunir temporariamente com seus parentes nos EUA enquanto aguardam a emissão de sua residência permanente.

O plano também estabelece uma série de proteções para trabalhadores imigrantes que relatam exploração e aumenta o número de vistos de diversidade de 55 mil para 80 mil (que são sorteados entre pessoas de países cuja taxa de migração para os EUA é baixa).

O projeto também inclui disposições para eliminar a discriminação contra famílias LGBTQ+ e imigrantes com base em suas crenças religiosas.

Uma abordagem diferente para segurança na fronteira

Esta legislação propõe uma abordagem diferente de propostas semelhantes anteriores.

Em vez de contemplar o aumento do efetivo de fronteira ou a construção de mais cercas, ela propõe o "desdobramento de tecnologia que agilize o controle e a capacidade de identificação de entorpecentes e outros tipos de contrabando" principalmente nos portos de entrada.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.