Últimas

Dream Team a caminho de Tóquio

Após oito meses liberado somente para atletas de natação, atletismo e tênis de mesa, o Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, reabriu para outros esportistas em fevereiro.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Com restrições, é verdade, ainda por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19). O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) limitou o acesso, neste momento, às modalidades já garantidas na Paralimpíada de Tóquio (Japão). Caso da seleção de futebol de 5, que ostenta o retrospecto mais impressionante entre as representantes do Brasil na história dos Jogos.

A equipe tetracampeã paralímpica não perdeu uma partida no evento sequer desde que o esporte voltado a pessoas com deficiência visual (exceto os goleiros) foi incluído, em 2004. De lá para cá, são 17 vitórias, cinco empates e 40 gols marcados. Muito justo, portanto, que o futebol de 5 inaugure a série que a coluna inicia nesta segunda-feira (15), sobre a reta final da preparação das modalidades com brasileiros envolvidos em Tóquio. Das 22 que integram o programa, o país não será representado em duas: basquete e rugby em cadeira de rodas.


A primeira fase de treinamento da seleção de futebol de 5 chegou ao fim no último domingo (14), após duas semanas de concentração no CT. A próxima fase está agendada para o período entre os dias 1º e 13 de março, com os mesmos 15 nomes que integraram a primeira convocação do técnico Fábio Vasconcelos. Os atletas não se reuniam para treinar há um ano, e muitos, praticamente, não puderam estar em quadra ao longo de 2020, devido à pandemia.


“Os dois primeiros dias foram só de avaliações físicas e isocinéticas dos atletas, para termos um resumo de como eles chegaram. Na comparação com a única fase que tivemos no ano passado, eles vieram 4% abaixo, uma perda que, na nossa análise, dá para recuperarmos já na próxima fase. Podia ter sido maior”, explica o treinador, que dirigiu a seleção campeã na Paralimpíada do Rio de Janeiro, em 2016, e foi goleiro nas conquistas de 2004, em Atenas (Grécia), de 2008, em Pequim (China), e de 2012, em Londres (Reino Unido).


“Fizemos dois períodos [de treinos], manhã e tarde. Um dia era comigo [na quadra] e o outro com o fisiologista e a fisioterapia, para controlarmos [a intensidade] e evitar lesões. Eles [atletas] estavam trabalhando em casa [durante a pandemia], com tarefas passadas pela comissão, alguma coisa com bola, adaptada à realidade de cada um. O problema é que não estavam trabalhando em conjunto com bola e fazendo exercícios específicos da modalidade. Então, fizemos essa transição”, completa Fábio.




Foto: Ale Cabral/CPB - Publicado em 15/02/2021 - 19:39 Por Lincoln Chaves - Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional - São Paulo

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.