Últimas

Suspeito de matar a transexual Manuella Otto em Manaus é preso

O cabo Jeremias da Costa Silva, de 27 anos, lotado na 12ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), principal suspeito de assassinar a transexual Manuella Otto, foi preso nesta quinta-feira (18). A informação foi divulgada pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).


Foto: Divulgação/BLITZ AMAZÔNICO

O mandado de prisão preventiva do suspeito foi expedido pelo Plantão Judicial na última quarta-feira (18). Ele foi apresentado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) para os procedimentos cabíveis.

A Corregedoria Geral do Sistema de Segurança também informou que abriu um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) em desfavor do cabo Jeremias da Costa Silva. O delegado Charles Araújo, titular da DEHS, é o responsável por conduzir a investigação em torno do caso.

Relembre o caso

Manuela Otto foi encontrada morta deitada no quarto do motel da madrugada do último sábado (13). Segundo o Departamento de Polícia Técnico Científica (DPTC), ela recebeu dois tiros, sendo um no braço esquerdo e outro nas costas, o último atravessando o tórax.

Jeremias estava conduzindo um modelo Prisma, de cor branca e placas PHJ-1418. Durante a estadia no motel, os funcionários ouviram um disparo de arma de fogo.

Logo em seguida, o portão da pousada foi fechado para impedir a saída do homem que estava na companhia da vítima. O suspeito fez ameaças e arrombou a porta com o carro.

Manifestação

Na próxima sexta-feira (19) representantes da classe LGBTQIA+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queers, Intersexuais, Assexuais e outros) vão fazer um protesto pedindo justiça pela morte da mulher trans Manuella Otto.

O protesto será em frente da DEHS, a partir de 10h, e vai contar com a presença de familiares e amigos da vítima. Bruna La Close, presidente do Movimento LGBTQIA+ de Manaus, afirmou que o crime não pode ficar impune e cobrou resposta da equipe que investiga o caso.

“É inaceitável que os crimes contra a comunidade LGBTQ+ continue sejam tratados como corpos sem história, sem dignidade. Exigimos justiça, prisão e condenação do assassino. Precisamos de respostas”, disse.

Bruna afirmou que os manifestantes vão levar faixas, cartazes e banners pedindo justiça pela morte de Manuella Otto. Além disso, o protesto vai seguir todas as regras de prevenção da Covid-19, como uso de máscara, álcool em gel e o distanciamento social.

Foto: Divulgação

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.