Últimas

2.ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus conclui audiência de instrução do "Caso Kimberly Oliveira"

Réu no processo, Rafael Fernandez Rodrigues optou por permanecer em silêncio durante a audiência e não respondeu às perguntas da promotora e do magistrado.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

A 2.ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus concluiu nesta sexta-feira (19/3) a audiência para instruir a Ação Penal de n.º 0659697-14.2020.8.04.0001, que tem como réu Rafael Fernandez Rodrigues, acusado da morte de Kimberly Karen Mota de Oliveira, de 22 anos, ex-miss Manicoré (município do interior do Amazonas). O crime ocorreu no dia 11 de maio do ano passado, em um apartamento localizado na Avenida Joaquim Nabuco, no Centro de Manaus.

A audiência foi realizada por videoconferência, em conformidade com a Resolução n.º 314/2020, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e com a Portaria n.º 2.256/2020, do Tribunal de Justiça do Amazonas, em observância às medidas de prevenção à covid-19

Durante o ato foi ouvida uma testemunha arrolada pela defesa e, em seguida, foi dado início à última etapa da audiência, que consiste no interrogatório do réu. Mas Rafael Fernandez Rodrigues exerceu o direito de ficarem silêncio (previsto no artigo 5.º, LXIII da Constituição Federal e artigo 186 do Código de Processo Penal) e optou por não responder as perguntas da promotora de Justiça Clarissa Moraes Brito e do juiz Anésio Rocha Pinheiro, sumariante do processo. A defensora pública Ellen Cristine Alves de Melo não fez perguntas.

Rafael – que permanece no Centro de Detenção Provisória Masculino 1 (CDPM 1) – foi denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE/AM) como incurso nas penas do artigo 121, § 2.º, I (motivo torpe), IV (recurso que tornou impossível a defesa da ofendida) e VI (feminicídio) do Código Penal.

Próximos passos

Após o encerramento da audiência de instrução e julgamento desta sexta-feira, o juiz de Direito Anésio Rocha Pinheiro abriu prazo de cinco dias corridos para a apresentação das Alegações Finais por Memoriais pelo Ministério Público do Estado do Amazonas. 

Após a apresentação, a defesa terá o mesmo prazo para suas Alegações Finais por memoriais. Finalizada esta fase, o magistrado poderá decidir pela pronúncia ou não do réu. Havendo a sentença de pronúncia, Rafael será julgado em plenário por um Júri Popular.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.