Últimas

EDUCAÇÃO POLÍTICA - Arthur Virgílio e Tasso Jereissati acreditam que CPI da Pandemia vai ter consequências para os responsáveis

Ex-senador, ex-ministro e ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB) promoveu nesta quinta-feira (27.5) mais um debate pelo Núcleo de Educação Política e Renovação do Centro Preparatório Jurídico (CPJUR). O convidado foi o senador Tasso Jereissati (PSDB) para falar sobre a CPI da Pandemia e seus possíveis resultados. 

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Em debate virtual, ambos disseram acreditar que a Comissão, em curso no Senado, vai ter efeito e punição aos responsáveis pelas omissões e irregularidades ocorridas no enfrentamento da Covid-19, que assola o país desde março de 2020.

Para eles, a morte de quase meio milhão de brasileiros não pode e nem deve passar impune e que, além dos resultados das apurações feitas na CPI, as medidas legais devem ser adotadas de imediato. 

“O que está sendo discutido são quase 500 mil pessoas mortas, corrupção com o dinheiro da saúde, negacionismo, entre outras coisas que precisam de resposta”, defendeu Arthur Virgílio, que é o atual presidente do PSDB-AM.

“Vai ter consequência, sim”, afirmou o senador Tasso Jereissati, que é integrante da CPI da Pandemia. Ele avaliou, ainda, que a descrença dos brasileiros em resultados de comissões de inquérito se deve aos governantes que tentam impedir avanços nas investigações e nas punições dos possíveis crimes. 

“Essa é a primeira CPI em décadas que não tem o controle do governo, porque o atual presidente não tem partido, não acredita em partido e faz a política do eu sozinho. Por isso, não teve como ter o controle, não indicou relator, não indicou presidente”, lembrou, ao fazer um relato das CPIs que culminaram com a renúncia do presidente Collor e o afastamento do ministro da Fazenda, Antônio Palocci.

“Algumas CPI foram frustrantes, mas essa dá um pouco de esperança. Não é uma caça às bruxas, mas uma investigação necessária para esclarecer toda essa situação”, concordou Virgílio. Arthur também disse que o assunto se agrava porque o país não está se preparando para os eventos futuros da pandemia e não está avançando com a vacinação em massa. “O medo que eu tenho é que essa inércia, essa lentidão na vacina, faça com que o vírus se torne tão robusto que não teremos vacina eficaz para controlá-lo”, alertou.

Segundo Tasso, a CPI da Pandemia não vai se limitar a investigar a participação do Governo Federal, mas deve se estender a outros entes federativos. “O foco principal da CPI são as causas, as responsabilidades, as omissões. 

Por que chegamos ao ponto que chegamos? Quais as razões? Quem foram os responsáveis?”, explicou o senador. “Mas, também foi definido que os fatos correlatos em estados e municípios também devem ser investigados. Só temos que ter cuidado para a CPI não virar questão política e perder a força”, completou.

O senador finalizou dizendo que não acredita em impeachment do presidente Jair Bolsonaro. “O País já sofreu dois impeachments e a crise que isso gera é muito grande. Nós temos um desemprego enorme, uma crise sanitária única na história do país. 

Abrir uma crise que pode paralisar o governo por meses, nessas circunstâncias, será catastrófico. Não é o momento, temos que trincar os dentes e conter a irracionalidade dos governantes”, concluiu. Além de senador, Tasso é o político, empresário, foi ex-governador do Ceará e ex-presidente nacional do PSDB.

O encontro teve transmissão pelo YouTube do CPJUR ( https://www.youtube.com/cpjurtv) e na página de Arthur Virgílio no Facebook (https://www.facebook.com/ArthurVirgilioNetoAM).

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.