Últimas

Primeira múmia egípcia grávida é descoberta acidentalmente

Uma múmia egípcia mantida no Museu Nacional de Varsóvia que se acreditava ser um sacerdote, é, na verdade, uma mulher grávida.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

A descoberta da primeira múmia com essas características foi feita por cientistas poloneses no Projeto Múmia de Varsóvia . A equipe, que desde 2015 tem trabalhado para examinar minuciosamente múmias humanas e animais do Egito Antigo, no Museu Nacional de Varsóvia, descobriu a verdadeira identidade do corpo após detectar um pequeno pé no abdômen.

De acordo com Marzena Ożarek-Szilke, antropóloga e arqueóloga da Faculdade de Arqueologia da Universidade de Varsóvia, eles já haviam resumido suas pesquisas e se preparavam para enviar suas descobertas para publicação. Ela disse à agência de notícias estatal polonesa PAP: “Meu marido (Stanisław, um arqueólogo do Egito)e eu demos a última olhada nas imagens e notamos uma imagem familiar para pais de três crianças no abdômen da falecida: um pé minúsculo.”

Wojtek Ejsmond, um dos três co-fundadores do Projeto Múmia de Varsóvia, disse à CNN que a múmia foi enviada pela primeira vez para a Polônia em 1826 por Jan Wężyk-Rudzki. Naquela época, acreditava-se que era uma mulher, mas a visão mudou durante a década de 1920, quando uma inscrição no sarcófago foi traduzida para revelar o nome de um sacerdote egípcio, Hor-Djehuty.

Embora pertença à Universidade de Varsóvia, a múmia foi emprestada ao museu desde 1917, onde está em exibição. Durante o curso de sua pesquisa, a equipe revelou algumas pistas interessantes. Usando tomografia computadorizada, o que significava que as bandagens da múmia não precisavam ser removidas, eles descobriram que o corpo tinha uma estrutura esquelética delicada.

Uma análise mais detalhada convenceu os pesquisadores de que o corpo era feminino, pois não havia sinal de um pênis. Uma visualização 3D do corpo mostrou claramente cabelos longos e cacheados e seios mumificados, de acordo com a equipe.


Ejsmond disse ainda que a mulher pode ter morrido com idade entre 20 e 30 anos e que o feto teria entre 26 e 30 semanas de gestação. “Não sabemos a causa da morte – será objeto de novas investigações”, disse ele. Uma das maiores dúvidas dos cientistas é por que o feto – cujo sexo não foi determinado – permaneceu no local enquanto os órgãos internos eram rotineiramente removidos antes da mumificação.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.