Últimas

Vídeos auxiliam capacitação de profissionais da saúde no combate à Covid-19 em comunidades ribeirinhas

Manter os conhecimentos atualizados sobre os protocolos de saúde e prevenção da Covid-19 é fundamental para os profissionais que atuam na linha de frente contra a pandemia.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

Para os agentes comunitários de saúde (ACS) e agentes indígenas de saúde (AIS), que atendem aldeias e comunidades ribeirinhas, e enfrentam desafios como a distância dos centros urbanos e conexão ruim de internet, essa atividade ganhou o apoio da Fundação Amazônia Sustentável (FAS). A organização produziu um material audiovisual com informações sobre o coronavírus para reforçar a qualificação de quem promove a saúde no interior.

Os vídeos informativos foram produzidos com base no Guia de Recomendações para Atenção Primária à Saúde em Comunidades Ribeirinhas e Rurais e Aldeias Indígenas do Amazonas para a doença Covid-19, criado no âmbito da Aliança Covid Amazônia, iniciativa liderada pela FAS com apoio de 122 parceiros para ajudar as comunidades e aldeias no enfrentamento à pandemia. Ao todo, são 10 vídeos com informações sobre o vírus, sintomas clínicos, principais cuidados, tratamento, saúde mental, vacinação e transporte de pacientes ribeirinhos, entre outros temas. Para conferir os vídeos, acesse: https://abre.ai/cFKq.

O material audiovisual é exibido durante as webpalestras promovidas pela FAS para os ACS de 15 Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS), Áreas de Proteção Ambiental (APA), Reservas Extrativistas (Resex) e Territórios Indígenas (TIs) da Amazônia que atendem mais de 30 comunidades e aldeias. A capacitação à distância acontece nos pontos de telessaúde instalados pela FAS, com apoio da Embaixada da França, nesses locais.

De acordo com a enfermeira e consultora do Programa de Saúde na Floresta da FAS (PSF), Rosilene Dutra, os vídeos são uma ferramenta valiosa para a formação dos ACS e AIS. “Esse material contribui para o aprendizado e complementa conhecimentos no dia a dia dos profissionais. A linguagem dos vídeos promove uma forma de aprendizagem natural e bem distinta. A recepção do material com os ACS tem sido exitosa, pois os agentes veem o conteúdo como complemento do desenvolvimento do seu trabalho diário”, afirma a consultora.

A FAS já promoveu 30 webpalestras com a parceria da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). A supervisora do PSF, Kelly Souza, informa que a fundação planeja manter um calendário com média de 15 capacitações online por mês.

“Dentro do Programa Saúde na Floresta, temos a linha da teleducação voltada para a formação continuada na modalidade de webpalestras. Os conteúdos vão além da Covid-19, nós trabalhamos temas como práticas integrativas de saúde, musicoterapia, saúde do idoso e outros conhecimentos que vão auxiliar a atuação dos agentes comunitários na promoção da saúde e prevenção de doenças”, resume Kelly.

A telessaúde foi um dos eixos reforçados pela Fundação Amazônia Sustentável durante a pandemia do novo coronavírus. Além de vídeos informativos, teleorientações e telecapacitações para os profissionais da saúde, a FAS tem realizado, dentro do âmbito da Aliança Covid Amazônia, a instalação de pontos de conexão de internet em Unidades de Conservação (UCs) do estado, onde moradores podem ter atendimento médico, de enfermagem especializada e psicológico à distância, reduzindo a necessidade de deslocamentos para a cidade.

Saúde mental

Um dos principais pontos de atenção do PSF é a saúde mental das comunidades indígenas e ribeirinhas. Por isso, a FAS, em parceria com a UEA e a Fundação Universidade Aberta da Terceira Idade (FUnATI), fortalece a formação dos ACS sobre o tema, oferecendo o curso em pontos de telessaúde para profissionais de 14 comunidades do interior.

De acordo com o reitor da FUnATI, Euler Esteves Ribeiro, a pandemia ainda está entre nós e trouxe consequências devastadoras para a nossa saúde mental. "O isolamento social, medo e luto também devem ser combatidos. Em nome da FUnATI, parabenizo esta ação e disponibilizo minha equipe para mais esta estratégia de formação em saúde mental que beneficiará as comunidades ribeirinhas. A saúde mental será o nosso maior desafio deste século, precisamos dar apoio e amparar aqueles que necessitam de um atendimento profissional", destacou.

A aula inaugural ocorreu no dia 22 de abril, e além de beneficiar agentes de saúde, também contemplou os profissionais da rede de saúde mental das prefeituras e líderes comunitários.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.