Últimas

Homem suspeito de torturar e matar adolescente é preso no Amazonas

Um homem de 24, foi preso na última quarta-feira (30) em flagrante pelo crime de ocultação de cadáver, que teve como vítima uma adolescente de 15 anos. Ele também foi indiciado pelo homicídio e tortura da vítima. O crime ocorreu no dia 26 de junho deste ano em Itacoatiara.


Um adolescente de 17 anos foi apreendido por ato infracional análogo aos mesmos crimes.

De acordo com o delegado Lázaro Mendes, a prisão e apreensão dos indivíduos ocorreu no bairro Mamoud Amed. Mendes informou que a motivação do crime teria sido o furto do aparelho celular do adolescente apreendido, que teria sido subtraído pela menina, ocasião em que a mesma estava praticando roubos por aquele município.

“O adolescente pediu para que indivíduos, até o momento não identificados, levassem a vítima até ele para recuperar o aparelho celular, momento em que o mesmo, na companhia do homem e outro indivíduo, que está foragido, praticaram o crime. Eles torturaram a menina até a morte e depois jogaram o corpo em um igapó, caracterizando a ocultação de cadáver”, detalhou o delegado.

Segundo a autoridade policial, as equipes policiais tomaram conhecimento do crime após o pai da menina registrar um Boletim de Ocorrência (BO) na unidade policial, informando que sua filha estava desaparecida.

“O pai da vítima nos informou que havia três indivíduos supostamente envolvidos no desaparecimento de sua filha. Com base nisso, iniciamos as diligências e conseguimos localizar o homem e o adolescente, e eles confirmaram a autoria do crime. Agora seguimos as buscas para localizar o terceiro envolvido no fato”, afirmou Lázaro Mendes.

Procedimentos

O homem de 24 anos foi autuado em flagrante por ocultação de cadáver e indiciado pelos crimes de tortura e homicídio. O adolescente foi apreendido pelos atos infracionais análogos aos mesmos crimes.

Ao término dos trâmites cabíveis no DIP, os indivíduos serão transferidos para a Unidade Prisional do município, onde permanecerão à disposição da Justiça.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.