Últimas

Operação Tamoiotatá aumenta efetivo para combater queimadas e desmatamento no sul do Amazonas

Secretarias e agências do Governo do Amazonas estiveram reunidas, nesta quarta-feira (11/08), para alinhar o plano estratégico da Operação Tamoitatá. A força-tarefa, que ocorre de forma contínua desde o mês de abril, ampliará a presença do Estado no sul do Amazonas, com o efetivo de 200 pessoas para fortalecer o combate ao desmatamento e às queimadas ilegais.

Foto: Divulgação / BLITZ AMAZÔNICO

O efetivo contará com equipes da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), integradas à Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) e, também, à Força Nacional, que integrará as ações do Estado, por meio da Operação Guardiões do Bioma.

O grupo ficará dividido em três bases, localizadas em Apuí, Humaitá e Lábrea (a 453, 590 e 702 quilômetros de Manaus, respectivamente). O objetivo é garantir maior cobertura contra a degradação ambiental na região sul do Amazonas, considerada de maior vulnerabilidade no estado para crimes contra o meio ambiente, relacionados à grilagem, uso irregular de terras, extração ilegal de madeira e garimpo.

“Essa é uma reunião de adequação da Tamoiotatá, para atuação no segundo semestre de 2021. A estratégia é fortalecer o efetivo, com aumento de presença do Estado nas áreas mais críticas, para combatermos a ilegalidade, junto a um movimento do Ipaam para ampliar a legalização, por meio da regularização ambiental de empreendimentos nessas áreas", disse o secretário de Estado do Meio Ambiente, Eduardo Taveira.

Da SSP-AM, o reforço de efetivo contará com equipes do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM), da Polícia Civil (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Meio Ambiente e Urbanismo (Dema); além da Secretaria Executiva-Adjunta de Planejamento e Gestão Integrada (Seagi), da Secretaria Executiva Adjunta de Operações (Seaop) e da Secretaria-Executiva-Adjunta de Inteligência (Seai).

“Nós vamos trabalhar agora com essa intensificação das nossas ações de combate ao desmatamento ilegal e às queimadas. Isso é um tema que é muito importante. O governador Wilson Lima determinou a atenção total ao combate, que não é uma ação para prejudicar produtores, mas para evitar que o crime aconteça e prejudique as pessoas que trabalham legalmente”, enfatizou o secretário de Segurança, general Mansur.

Todo o efetivo recebe, ainda, o apoio de 175 brigadistas florestais, capacitados pelo Governo do Estado para atuar na contenção de pequenos e médios focos de calor. O reforço será para os municípios de Lábrea (26 brigadistas), Manicoré (20 brigadistas), Novo Aripuanã (24 brigadistas), Humaitá (20 brigadistas), Apuí (17 brigadistas), Boca do Acre (38 brigadistas) e Canutama (30 brigadistas).

Novas estratégias - As equipes da Operação Tamoiotatá atuarão em diversas frentes, que incluem o combate efetivo às queimadas, a realização de barreiras terrestres para coibir o mercado ilegal de madeira, além de ações de Defesa Civil, monitoramento ambiental e cumprimento de mandados de prisão, busca e apreensão.

Em campo, a atuação será ampliada ainda com o uso de geotecnologias, com R$ 1,7 milhão investidos em um serviço de monitoramento ambiental remoto, com a utilização de drones. O recurso é proveniente de um projeto da Sema financiado pelo Banco Alemão de Desenvolvimento KfW, que prevê ainda R$ 1,6 milhão para estruturação das brigadas, além de R$ 2,6 milhões para a remuneração de 240 brigadistas por um período de seis meses.

Em Manaus, as estratégias serão potencializadas com a criação do Centro de Monitoramento Ambiental (CMA). Segundo o diretor-presidente do órgão, Juliano Valente, a previsão é que o CMA comece a operar em setembro.

“A estrutura funcionará como um centro de integração de informações geográficas, para apoiar ações de licenciamento, fiscalização e monitoramento, com o uso de insumos de sensoriamento remoto aliados ao conjunto de softwares que compõem o parque tecnológico do Ipaam”, destacou.

Balanço da operação - A Operação Integrada Tamoiotatá está, atualmente, em sua 9ª fase de execução. De abril a agosto de 2021, a ação em campo embargou um total de 10.919,90 hectares no sul do Amazonas. Ao todo, foram R$ 31.196.524,23 em multas, provenientes de 57 autos de infração. O número de autuações remotas realizadas pelo Ipaam chegou a 47.

Em cinco meses de atuação, o Estado conseguiu apreender mais de 14,3 mil metros cúbicos de madeira sem origem florestal comprovada, além de 33,8 mil quilos de carvão vegetal extraído ilegalmente.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.