Últimas

Amazonas tem 61 casos suspeitos da doença da urina preta, afirma FVS

Manaus - A doença da urina preta ainda preocupa as autoridades de saúde do Amazonas. A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) divulgou, na terça-feira (19), um novo boletim com atualizações sobre a doença. 





No total, são 61 casos suspeitos da doença em 10 municípios. O documento pode ser acessado no site da FVS-RCP no link https://bit.ly/2Z6v7SU.

No boletim, consta um número de 111 casos notificados, até esta terça-feira. Destes, 61 foram considerados suspeitos e os outros 50 foram descartados pela equipe do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da FVS-RCP (CIEVS/FVS-RCP).

Dos 10 municípios que registraram casos suspeitos da doença, Itacoatiara ocupa o primeiro lugar com mais notificações (53) - entre suspeitos (29) e descartados (24). Os outros municípios apresentam casos suspeitos de rabdomiólise são: Parintins (13), Manaus (6), Urucurituba (4), Silves (3), Maués (2), Autazes (1), Caapiranga (1), Itapiranga (1) e Manacapuru (1).

O documento também atualiza o número de mortes de pacientes suspeitos de rabdomiólise. São, até esta terça, duas mortes: duas mulheres residentes de Itacoatiara (a 176 quilômetros de Manaus), com idade de 51 e 68 anos, ocorridos em 27 de agosto e 7 de outubro, respectivamente. Os óbitos fazem parte dos 61 casos suspeitos da síndrome.

A diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim, salienta que a instituição segue investigando os casos da doença. “Dos 61 casos suspeitos, 32 foram registrados em agosto, 22 em setembro e 7 em outubro. Notamos um leve aumento dos casos em comparação com o último boletim, mas seguimos com as investigações dos casos”, destaca.

Investigação

As investigações dos casos suspeitos são realizadas pelo CIEVS/FVS-RCP, em parceria com equipes de Vigilância Epidemiológicas dos municípios, que colaboram na identificação e descarte de casos de rabdomiólise. Por se tratar de uma doença com diferentes causas, a investigação da rabdomiólise segue padrões criteriosos.

Foram coletadas amostras de soro e de urina de seis pacientes hospitalizados de Itacoatiara e uma amostra de peixe consumida por um destes pacientes. As amostras foram encaminhadas para o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC). O Amazonas aguarda divulgação do resultado das análises.

Força-tarefa

O grupo de trabalho de investigação é composto pela FVS-RCP; Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM); Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD); Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf); Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror); Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); Universidade Federal do Amazonas (Ufam); Universidade Estadual do Amazonas (UEA); Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz-Amazônia); Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia (Inpa); e Superintendência Federal de Agricultura no Amazonas (SFA/AM), do Ministério da Agricultura e Ministério da Saúde.

Referência

A FVS-RCP é responsável pela Vigilância em Saúde do Amazonas, que inclui o monitoramento de doenças e a notificação ao Ministério da Saúde, pelo Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde (CIEVS).

A instituição funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na avenida Torquato Tapajós, 4.010, Colônia Santo Antônio, Manaus. Contato telefônico da FVS-RCP (92) 2129-2500 e 2129-2502.

*Com informações da assessoria

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.