Últimas

VEJA VÍDEO: Criança com Transtorno do Espectro Autista sofria maus-tratos, em clinica por terapeuta

A família de uma criança, de 8 anos, diagnosticada com Transtorno do Espectro Autista, denunciou a terapeuta ocupacional e fisioterapeuta Samia Patricia Riatto Watanabe.


Segundo a denúncia baseada num vídeo da câmera de segurança da Clínica Speciale – localizada na Darcy Vargas (Chapada). A denúncia por maus-tratos foi feita no 22º Distrito Integrado de Polícia.

Os pais do garoto desconfiaram da mudança de comportamento da do filho, que passou a recursar o tratamento. Ele solicitaram sem o conhecimento da profissional e descobriram as agressões. Nas imagens onde a terapeuta realizava os atendimentos, é possível ver a mulher puxando o braço da criança, batendo na cabeça e empurrando o menino.

Os vídeos mostram ainda, Samia falava aparentemente de forma ríspida com a criança e em tom de ameaça, além de puxar o braço em diversos momentos. Um trecho mostra a terapeuta batendo com a mão direita na cabeça da criança, para que o mesmo levante-a. Em seguida, aparentemente, a criança chora e enxuga os seus olhos.



Outra parte as imagens que mostram a criança sem acompanhamento algum durante as sessões. No dia 29 de junho, uma das câmeras mostra Samia recepcionando a criança na entrada da sala empurrando-o no peito, de forma ríspida, com o dedo. As sessões, segundo os pais da criança, começaram em fevereiro deste ano e duraram três meses.

O caso já tramita na 15ª Vara do Juizado Especial Criminal, sendo a última movimentação oficial um despacho da juíza Sanã Nogueira Almendros de Oliveira determinando a notificação do titular da ação (MPAM) para providências.


Em nota, o MPAM informou que “a Coordenação da área Criminal explicou que os autos ainda não foram cadastrados no sistema SAJ-MP, ainda estão no SAJ- PG5, o que significa que ainda não foram encaminhados ao Ministério Público. 

Em movimentação do dia 28/09, os autos estão conclusos para despacho do juiz da 15ª Vara do Juizado Especial Criminal”. A mãe do garoto ao conversa com ele, contou que após as desconfianças, conversou com o filho, que relatou as agressões. “Eu fiquei desesperada e surpresa. 

Ao ver os vídeos é visível observar que ela não cumpria com seu dever funcional e que houve agressões físicas e psicológicas contra meu filho”, disse a mãe da criança autista.

Terapeuta ocupacional e fisioterapeuta Samia Patricia Riatto Watanabe



Depoimento

Em depoimento à polícia, Samia Watanabe negou as agressões e denúncia de maus-tratos, ela disse que a “batida na cabeça” e os puxões tratam-se de um método chamado propriocepção e reforço sensório social, que fazem parte do tratamento. Ela também disse em depoimento que em momento algum deixou o menor sem atenção.

A proprietária da Clínica, onde ocorreram às supostas agressões, Ana Marques, informou que a referida terapeuta, alocava o local, para os atendimentos dela particulares e que desde o dia 1 de julho isso, não vem mais acontecendo.


Veja o Comunicado Oficial da Clínica:

 

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.