Últimas

Fãs amazonenses choram a perda de Marília Mendonça

É com luto na alma que os fãs amazonenses recebem a notícia da morte de Marília Mendonça, após a queda de um avião bimotor Beechcraft King Air C90a que levava a cantora para um show, próximo de uma cachoeira na serra de Caratinga, interior de Minas Gerais. 

Junto com a cantora, mais quatro pessoas estavam na aeronave e ninguém sobreviveu. Durante toda a tarde desta sexta-feira (5), o assunto estava no topo dos mais comentados na capital.

“Meu Deus, Marília Mendonça se foi. A gente como fã fica arrasado e não dá para acreditar numa coisa como essa. Até agora, a ficha não caiu”, disse o auxiliar de produção, Rômulo Pessoa, 29 anos, morador do bairro São José, zona Leste de Manaus, que não perdia um show da cantora.

“Quando ela veio cantar no Largo São Sebastião, eu fiquei tão emocionado. Também estive no primeiro show que ela fez aqui, em 2016. Eu não quero acreditar”, desabafa.

Vanessa Menezes, 32 anos, é universitária e mora no bairro Novo Aleixo, zona Leste da cidade. Fã da cantora deste 2017, quando passou a acompanhar músicas como “Amante Não Tem Lar”, ela não poupou elogios ao talento da cantora e a tristeza pela perda.

“Essa música embalou minha vida. Eu amava ouvir a Marília e, agora, que vou ouvir mais ainda, para lembrar do enorme talento dela. Tudo que ela escreveu foi perfeito e falava do interior da gente, da nossa alma. Diva, minha musa. Eu já tô com saudade”, comenta.

Para o executor de mercado, John Robert, de 23 anos, que mora no bairro Cidade Nova, zona Norte de Manaus, o brilhante legado deixado por Marília Mendonça é inquestionável.

“Estou triste por sua partida ... Uma mulher poderosa, jovem, forte, independente, com um trabalho artístico lindo. Ir desse jeito é muito trágico. Nenhum de nós está preparado para isso. Ela deixou um legado e história na música popular brasileira”, afirmou.  

Moradora de Rio Preto da Eva (distante 80 quilômetros de Manaus), a estudante Carla da Silva, 16 anos, também lamentou a perda.

“Nossa Rainha, minha rainha. Eu fui para Manaus, em 2019, só para ver ela cantar para nós perto do Teatro Amazonas. Eu lembro que eu gritava igual uma louca, ouvindo ‘infiel’ e outras músicas que eu amo”, disse, emocionada.

Até quem tem mais idade, curtiu muito os hits da cantora e ficou sem acreditar na notícia.

“Não são somente os jovens que gostavam dela. Eu tenho 63 anos e a gente se identificava com histórias de vida, ouvindo essas músicas. Nunca pude ir a um show. Mas eu ouvia sempre e acho uma perda enorme para a música brasileira. Eu gostava da ‘infiel’”, afirmou a comerciante Marilene Lopes, que mora no município de Presidente Figueiredo (distante 119 quilômetros da capital amazonense).

Shows em Manaus

E a afirmação dos fãs sobre o legado positivo de Marília Mendonça na música popular brasileira é verdadeira. Desde que a cantora explodiu no Brasil, com músicas como “Sentimento Louco” e “Infiel”, em 2015, na gravação de seu primeiro DVD, intitulado “Marília Mendonça – Ao Vivo em Goiânia”, não parou mais. Com letras de tocar a alma, acompanhadas de uma voz poderosa, a cantora conquistou o espaço no coração dos brasileiros. ‘Infiel’ chegou a ser uma das músicas mais tocadas em 2016.

Foi aí que Marília voltou seu olhar para o Amazonas, realizando seu primeiro show em Manaus em junho daquele ano e voltando, em outubro, para gravar seu segundo DVD, intitulado “Realidade”, que arrastou mais de 40 mil pessoas ao sambódromo.

Já em 2019, com o projeto “Te Vejo em Todos os Cantos”, ela surpreendeu os amazonenses com a gravação, em Manaus, da música ‘Supera’, para este novo projeto, que visitaria diversos estados do país com apresentações gratuitas. No dia 08 de outubro daquele ano, Marília lotou o Largo São Sebastião, no Centro da capital, com 60 mil pessoas.

Trajetória

Antes de explodir no Brasil, Marília Mendonça atuava como compositora e chegou a escrever letras para duplas de sucesso como Jorge e Mateus. Ela lançou seu primeiro EP, em 2014, que tinha músicas como “Sentimento Louco”.

Além, claro de diversas parcerias na carreira, como a que fez com Maiara e Maraisa. Em redes sociais, bateu recordes, durante a pandemia, com suas lives. Foram mais de 3, 2 milhões de expectadores, batendo nomes como Andrea Bocceli. Atualmente, ela trabalhava no projeto "Patroas", também com a dupla. 

Marília Dias Mendonça era natural de Cristianópolis (GO) e nasceu em 22 de julho de 1995. Com a ascensão meteórica, ganhou o título de “Rainha da Sofrência” e deixa o filho Léo, de apenas 01 ano e 10 meses, fruto de seu relacionamento com o sertanejo Murilo Huff.

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.