Últimas

Diagnóstico e tratamento da hanseníase serão destaque de webconferência da Prefeitura de Manaus

A primeira webconferência “Diálogos na Atenção Primária à Saúde” de 2022, a ser realizada nesta quarta-feira 12/1, às 15h, pela plataforma Google Meet, destacará as formas de prevenção, tratamento, busca ativa e demais ações para identificação de casos de hanseníase realizadas pela Prefeitura de Manaus.


Com o tema, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) tem o objetivo de sensibilizar a sociedade acerca dos sintomas e tratamento da hanseníase, uma doença milenar, que ainda é ainda alvo de preconceito, mas que tem cura quando o diagnóstico e tratamento são realizados de forma precoce.

A webconferência será conduzida pela chefe do Núcleo de Controle da Hanseníase da Semsa, enfermeira Ingrid Simone Alves dos Santos, que vai falar sobre os cursos de capacitação para a busca ativa de casos, a importância do diagnóstico precoce, a mobilização do "Janeiro Roxo" e as ações rotineiras desenvolvidas pela Semsa para o combate à doença.

A secretária municipal de Saúde, Shádia Fraxe, destaca a relevância do tema reforçando que os sintomas da hanseníase podem levar de dois a sete anos para se manifestarem, daí a importância do diagnóstico precoce.

“Este tema é fundamental para evitar as sequelas da doença, que muitas vezes são irreversíveis. Por isso é necessário fortalecer a detecção precoce, porque a hanseníase tem cura. A Semsa vem realizando um trabalho incansável para sensibilizar a população acerca dos sinais e sintomas e a webconferência Diálogos na APS é uma maneira de reforçar essas informações, junto aos servidores, que são fundamentais na qualificação dos serviços de saúde, salientou.

Campanha

A campanha “Janeiro Roxo”, que teve início no dia 3/1, é um movimento nacional que destaca a prevenção e o controle da hanseníase. Em Manaus, uma das ações do movimento é a busca ativa de casos nos bairros Colônia Antônio Aleixo, Jorge Teixeira, Cidade de Deus, Santa Etelvina, Novo Aleixo, Alvorada, Compensa, Petrópolis, Centro, Cachoeirinha, Praça 14 de Janeiro e Japiim, totalizando mais de mil visitas a ser realizadas pelos agentes de saúde.

Durante a visita, os agentes de saúde aplicam um formulário que, depois de preenchido, é entregue para a equipe de saúde do território. As respostas são analisadas e, conforme o caso, uma consulta é agendada na Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da casa do paciente para uma avaliação mais detalhada. Uma vez confirmada a necessidade de acompanhamento por um dermatologista, o usuário é encaminhado para atendimento com um especialista em 11 unidades de saúde.

Números

Em 2019, foram registrados 120 novos casos de hanseníase na capital amazonense. Em 2020, 70 novos casos foram diagnosticados e em 2021, o número chegou a 100 casos novos. Essas informações demonstram um aumento de 42,85% nos casos novos quando comparados ao ano de 2020, atribuído, em parte, à intensificação da busca ativa de casos.

Foto – Camila Batista / Semsa

Nenhum comentário

Obrigado por comentar aqui.