Em Manaus, hospitais Delphina Aziz e 28 de Agosto têm quase 100% de ocupação nos leitos de UTI Covid


Os hospitais Delphina Aziz e 28 de Agosto, em Manaus, estão com quase 100% de ocupação nos leitos de UTI para pacientes com Covid-19. Eles são as principais unidades de pronto-socorro no estado.
 

Os dados são do painel de monitoramento de leitos da Secretaria de Estado de Saúde (SES), atualizados nesta quarta-feira (19).

O Amazonas enfrenta uma explosão de novos casos de Covid-19, impulsionada pela chegada da variante ômicron. Somente nas últimas 24h, foram quase 5 mil registros da doença.

Em todo o Amazonas, as internações também saltaram e já são quase 500. Só em Manaus, nesta terça-feira (18), 426 pessoas encontravam-se hospitalizadas com diagnóstico positivo para Covid.

No Hospital 28 de Agosto, na Zona Centro-Sul da capital, os 12 leitos de UTI Covid estão ocupados (100%). Já dos 33 leitos clínicos Covid, 30 estão ocupados (91%) e somente três estão disponíveis.

A situação no Delphina Aziz, na Zona Norte da cidade, também está crítica. Dos 48 leitos de UTI Covid, 45 estão ocupados (94%). São 140 leitos clínicos para pacientes acometidos pela Covid e, desses, 104 ocupados (75%).

Considerando todo o sistema público de saúde do Amazonas, os leitos de UTI Covid estão com 53,85% de ocupação, de um total de 117 leitos ofertados. Os leitos clínicos Covid estão com 77,17% de ocupação, de um total de 346 leitos ofertados.

O levantamento inclui apenas leitos da rede estadual de saúde, para casos de Covid, tanto adulto, pediátrico e obstetrício.

Na semana passada, o governador Wilson Lima chegou a anunciar a abertura de mais leitos na capital para pacientes com Covid e também com a Influenza H3N2. Segundo Lima, o Estado e o Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) irão disponibilizar mais 74 leitos – 54 clínicos e 20 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) – que estão desocupados na unidade.

Os leitos serão destinados, neste primeiro momento, para pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), e posteriormente serão remanejados para outros perfis, conforme a necessidade da rede estadual de saúde.

Maioria dos internados não tomou vacina

Até esta terça-feira (18), em Manaus, há 426 pacientes internados com Covid-19, sendo 334 em leitos clínicos (31 na rede privada e 303 na rede pública), 74 em UTI (13 na rede privada e 61 na rede pública) e 18 em sala vermelha.

Entre os hospitalizados em leitos clínicos, 146 não são vacinados, 47 são crianças menores de 12 anos não aptas para vacinação, e 29 não completaram o ciclo vacinal, ou seja, só tomaram a primeira dose. Ou seja, 222 pessoas sem a imunização completa.

Entre os hospitalizados em leitos de UTI, 34 não são vacinados, 3 são de crianças menores de 12 anos não aptas para vacinação, e 5 tem apenas a primeira dose. Ou seja, 42 pessoas sem a imunização completa.

Situação crítica na rede privada

Hospitais da rede privada de saúde também voltaram a enfrentar sobrecarga de atendimentos, após a explosão de casos de Covid-19 e síndromes gripais. Com a alta demanda, o tempo de espera triplicou e já há unidade privadas restringindo alguns serviços.

Na quinta-feira (13), o Hospital Adventista, localizado na Zona Sul, havia comunicado que os atendimentos particulares de urgência e emergência ficarão temporariamente suspensos.

Já na Zona Centro-Sul, o Hospital Unimed precisou reforçar a equipe médica desde o fim de dezembro, após observar a disparada de pacientes com doenças respiratórias. Eles representam, atualmente, mais de 80% de todos os atendimentos realizados no local.

O Hospital Santa Júlia, também na Zona Centro-Sul, emitiu comunicados pedindo compreensão aos clientes pelo aumento na fila de espera para atendimento.

Fonte: G1/AM

Comentários

Obrigado por comentar aqui.

Postagem Anterior Próxima Postagem