Conheça a linda história do Projeto Aconchego que tem ajudado milhares de jovens grávidas em Manaus; venha fazer parte dessa corrente de solidariedade

DA REDAÇÃO BLITZ AMAZÔNICO

Quando Elke Santana Aucar, em 2008, ainda estudante do curso de Comunicação Social, precisou fazer uma pauta e teve a oportunidade de conhecer de perto o drama vivido por uma jovem de prenome Adriana, ela decidiu que a partir daquele dia precisava fazer algo para mudar a realidade daquela gestante. 


O PORTAL BLITZ AMAZÔNICO conversou com a idealizadora do Projeto Aconchego para saber como começou essa corrente de solidariedade.

“Adriana de 17 anos estava grávida do primeiro filho e não tinha nada e como não tinha filho naquela época, eu fiquei pensando como ajudá-la. Aí um amigo do meu lado disse: o que você acha de pedir das suas amigas que são mães? Então daí nasceu o projeto Aconchego, porque ela foi indicando para amiga, amiga da amiga, e assim passando, igual a um círculo que pegou e se alastrou, então, daí nasceu o Projeto Aconchego”, contou.

O Projeto Aconchego cresceu, se tornou uma realidade e ajuda significativamente essas mães que precisam de amor e carinho.


“Hoje em nosso banco de dados temos na faixa de 4 mil mães cadastradas. Cerca de 3 mil mães receberam atendimento de 2008 para cá. No geral, a gente temos mais de 4 mil beneficiadas. Atendemos mães em vulnerabilidade social, aquelas que estão desempregadas, que foram abandonadas por parentes, pelo pai da criança, mães que não tem nada para cobrir a criança quando sai da maternidade, aí nós montamos um pequeno kit de enxoval, que não vai muita coisa, porque dependemos de doações que normalmente são: banheiras, roupinhas de recém-nascidos, produtos de higiene, lençóis, toalhas, fraldas descartáveis e assim montamos o enxoval para mamãe e bebê”, explicou.

Com a pandemia, o “Projeto Aconchego” precisou se reinventar e ampliar sua rede de apoio, pois os desafios se tornaram ainda maiores.

“Antes atendíamos apenas as grávidas, com entrega de enxovais e dali elas tomavam um rumo na vida. Durante a pandemia nós sentimos a necessidade delas, sabe? Doía! Tinha algumas com cinco, seis e até com 14 filhos, com companheiros desempregados, outras sozinhas, mesmos morando com a família e outras sem ter onde morar. Começamos a abraçar todo mundo. Hoje no projeto Aconchego oferece às mães cursos de empreendedorismo possibilitando que as mesmas trabalhem em casa e possam cuidar de seus filhos. Temos palestras de controle de natalidade e estamos em busca de parcerias para encaminhamento de laqueadura. Temos também um mutirão que funciona uma a duas vezes por mês a depender dos voluntários, esse mutirão é de atendimento médico, jurídico, psicológico, com pediatra tudo isso depende dos voluntários que a gente consegue, esse é o projeto Aconchego”, revelou a Elke Santana orgulhosa.

A idealizadora do Projeto Aconchego faz um convite a você que está lendo esta linda história de amor ao próximo.

“Hoje atendemos uma média de 300 por mês. Bom, eu convido a você que venha se juntar a nós com amor, solidariedade, empatia porque a gente nunca sabe o dia de amanhã e outra, são crianças inocentes, que não pediram para vir ao mundo, então no lugar de julgarmos, vamos ajudar, nos unindo, para fazer nossa parte”, destacou.






Comentários

Obrigado por comentar aqui.

Postagem Anterior Próxima Postagem