Polícia conclui que namorada cortou barriga de jovem de 20 anos no ES

A Polícia Civil concluiu que a namorada do jovem que acordou com um corte profundo na barriga e parte do intestino exposto na Praia do Ermitão, em Guarapari, no Espírito Santo, no dia 16 de janeiro, foi a autora dos ferimentos do estudante e que o casal estava sozinho no local. 





A informação foi divulgada em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (27) e consta no relatório final do inquérito policial, que decidiu pelo indiciamento da namorada. Com base nas conclusões apresentadas pela Polícia Civil, a Justiça aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público estadual no dia 19 deste mês, tornando Lívia Lima Simões Paiva Pedra, de 20 anos, ré. Relembre o caso do jovem cortado na barriga em praia.

As versões da denúncia do MP e a apresentada pelo casal diferem. O casal diz que foi atacado.

“Uma investigação difícil para a Polícia Civil. Tratava-se de um casal, um local ermo, de madrugada, não tinha testemunha, outras informações, a não ser o casal. Foi dificultada em relação a isso, mas o delegado reuniu informações para indiciar a moça por ela apresentar lesões nas mãos e o rapaz ter tido um corte grotesco. Chega a conclusão que possivelmente foi a moça, utilizando de elemento cortante, que retirou o intestino do rapaz”, disse o delegado-geral da Polícia Civil do ES, José Darcy Santos Arruda.
Ele adicionou que “o ferimento que ela apresenta nas mãos, o corte, e ter somente os dois, leva a autoridade policial a entender que foi ela que praticou”.

O delegado responsável pela investigação, Franco Malini, falou sobre os elementos que levaram ao indiciamento da jovem. Segundo ele, o corte deve ter sido feito com um caco de vidro.

“Um dos elementos que nos levaram a concluir é uma ligação que ela fez com a própria mãe. Tinha combinado um horário, porem não retornou. A partir de então a família começou a procurá-la. Somente 2h20 da manhã a mãe conseguiu contato com ela, ela atendeu, e foi quando a mãe relata que escutou a voz da filha, apenas, durante 50 minutos de ligação, e em alguns momentos escuta o rapaz falar ‘Praia do Ermitão’ e deduziu onde estavam”, explicou.

O delegado explicou que os cortes que a namorada apresentava nas mãos indicam um ataque dela contra alguém.

“Essa investigação não poderia se basear em provas testemunhais. Apenas duas pessoas estavam no local e, de acordo com a legislação, devem colaborar com as investigações. Ambos dizem não se lembrar do que ocorreu. A nossa conclusão foi que só estavam eles. O segundo ponto são as lesões que a menina apresenta na mão, lesões típicas de corte. Ela possivelmente deu soco no rosto do rapaz e fez o corte na barriga, por conta do corte que tem na mão”, relatou.

Ainda de acordo com o delegado, ambos confirmaram o uso de “quadradinho”, que seria LSD, e disseram não se lembrar o que houve após terem alucinações. Só se recordam de acordar e ele estar com a barriga aberta.
 


Com informações do G1.

Comentários

Obrigado por comentar aqui.

Postagem Anterior Próxima Postagem