Atleta indígena do AM sobe ao pódio no Brasil Wake Open e no Pan-Americano, em Minas Gerais

O atleta índigena do Amazonas, da etnia Karapanã, Jair Paulino, conhecido como “Jajá”, subiu ao pódio e ficou em segundo lugar no Pan-Americano de Wakeboard, na categoria Júnior, e também na mesma colocação no Brasil Wake Open, no Profissional. 




As competições aconteceram no último fim de semana na Lagoa dos Ingleses, no Clube Serra da Moeda, em Nova Olinda (MG).

O amazonense disputou com wakeboarders dos Estados Unidos, Canadá e México em três competições: Campeonato Mundial de Wakeboard, Brasil Wake Open e o Pan-Americano.

Para o diretor-presidente da Faar, Jorge Oliveira, o atleta Jajá é um exemplo de superação e orgulho para o estado do Amazonas. “Saber que um atleta amazonense, além de representar nosso estado, representou nosso país, nos enche de orgulho”, destaca o diretor-presidente.

O atleta indígena destaca a importância de representar o Amazonas nas competições nacionais e internacionais. Segundo o jovem, o objetivo é sempre chegar ao lugar mais alto do pódio.

“Nessa competição participaram alguns brasileiros e alguns gringos. Na sexta me classifiquei para o Pan-Americano, onde fiquei em segundo lugar, na categoria Júnior. No brasileiro fiquei também em segundo lugar, mas como profissional”, disse o atleta amazonense.

O Campeonato Mundial de Wakeboard/Brasil Wake Open foi realizado pela pela Agência Dibbra, em parceria com a Associação Brasileira de Wakeboard (ABW) e Waterski e Wakeboard Federation (WWF).

Competições – Em dezembro de 2021, o Governo do Amazonas por meio da Fundação Amazonas de Alto Rendimento (Faar), disponibilizou passagens aéreas para Jair disputar o Pan-Americano de Wakeboard, no México, onde o atleta conquistou a quarta colocação. Por meio dessa competição, ele disputará o mundial, na Itália, nos dias 25 a 30 de julho.

Valorização – Mãe de Jair, Maria Alice, destaca a valorização do Governo do Amazonas com o atleta da etnia Karapanã. “Meu filho é um dos mais jovens a compor a Seleção Brasileira de Wakeboard. O governo está valorizando o atleta de wakeboard e incentivando o povo indígena karapanã como representante do maior rio de águas doces do mundo”, afirma a mãe do jovem.

Títulos – Treinando há 11 anos, o amazonense já conta com 23 títulos em sua carreira. Atualmente mora em São Paulo, e treina na Marreco Wake School (MWS). Além do Pan, em setembro de 2021 o atleta conquistou o 1º lugar do Campeonato Latino Americano de Wakeboard, na Colômbia. Venceu também a Copa Fefig Wakeboard & Wakesurf, em Ibiúna (SP), na categoria Pró.


Fonte: Portal Manaus Alerta 

Comentários

Obrigado por comentar aqui.

Postagem Anterior Próxima Postagem