Edi Rock, do Racionais MC's, é acusado de estupro por sexóloga; rapper nega

O rapper Edi Rock, do Racionais MC's, foi acusado de estupro pela sexóloga Juliana Thaisa, que publicou um relato nesta terça-feira (21) em uma sequência de stories no Instagram. Segundo a autora da denúncia, o crime teria ocorrido há mais de um ano, na casa dela, em São Paulo. Em comunicado, o músico negou as acusações. 





Procurada pelo g1, a assessoria de imprensa do Racionais MC's não havia respondido até a última atualização desta reportagem.

Juliana, que também é conselheira doula de parto, relatou que um inquérito sobre o caso foi arquivado sem que ela fosse ouvida. Afirmou também que vai recorrer do arquivamento.

Depois que a acusação veio à tona, Edi Rock se pronunciou no Twitter alegando inocência e dizendo que "já foi comprovado pela Justiça que [a acusação] é mentira". Ele disse que "os fatos expostos tornaram a narrativa apresentada ilegítima e caluniosa" e que seus advogados devem tomar as "medidas cabíveis".

O boletim de ocorrência foi registrado por Juliana em 1º de junho de 2021, um dia depois que o estupro teria ocorrido, em um apartamento na Consolação, região central de São Paulo. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública disse que "o caso foi investigado pela 1ª Delegacia de Defesa da Mulher "e que, "após apreciação do Ministério Público, os autos foram arquivados".

Nos posts, a Juliana relatou que a filha dela estava no local e que "existem várias filmagens da câmera de segurança do prédio" que comprovariam a acusação.

"Tem um pouco mais de um ano que fui violentada, e na época eu não expus para preservar a minha filha, fiquei com medo. E há pouco tempo decidi expor tudo, tanto as violências do núcleo familiar, como a violência do cantor de rap", escreveu ela em um trecho.



Em outro, disse: "Eu só tenho duas mãos, uma eu usei para tentar segurar aquele nojento, e a outra para segurar a minha calça, que ele tentava abaixar. Queria o quê? Que eu tivesse filmado? Eu não pude nem gritar para não acordar minha filha e traumatizá-la".



Ela continuou: "Só eu sei a humilhação que eu passei pra conseguir essas imagens. Laudo psicológico, até porque no dia seguinte eu solicitei uma sessão de emergência, BO, print pedindo socorro, print das ligações dele. Mesmo após o ocorrido porque ele ainda ficou atrás de mim". Veja imagens abaixo.



"O inquérito [foi] arquivado, e eu não fui ouvida. Eu não fui ouvida, eu não fui ouvida, eu não fui ouvida. Ele negou, e palavra dele foi validada. O sistema é patriarcal, machista, misógino e opressor", completou.



Além de Edi Rock, o Racionais é formado pelos MC's Mano Brown e Ice Blue e pelo DJ KL Jay. Principal nome do rap brasileiro de todos os todos os tempos, o grupo tem quatro álbuns de estúdio: "Raio X Brasil" (1993), "Sobrevivendo no inferno" (1997), "Nada como um dia após o outro dia" (2002) e "Cores & valores" (2014). Na carreira solo, o rapper lançou o álbum "Contra nós ninguém será" (2013).

 

IMAGENS COMPARTILHADAS PELA SEXÓLOGA

 

Foto divulgada por Juliana Thaisa nos stories, mostra boletim de ocorrência e viaturas no suposto dia do crime  — Foto: Reprodução / Instagram Juliana Thaisa

 

Segundo print exposto pela influencer, Edi Rock teria feito uma chamada para ela no dia seguinte do ocorrido — Foto: Reprodução / Instagram oficial Juliana Thaisa

 

Juliana publicou em seus stories prints de conversas com sua irmã pedindo ajuda e relatando ter acionado a polícia — Foto: Reprodução / Intagram Juliana Thaisa

 

Na conversa com irmã, a sexóloga diz que está Edi Rock estava na porta do seu apartamento — Foto: Reprodução / Instagram Juliana Thaisa

 

Juliana Thaisa postou print do inquérito que moveu contra Edi Rock: 'inquérito arquivo sem que eu fosse ouvida' — Foto: Reprodução / Instagram Juliana Thaisa

 

O QUE DIZ EDI ROCK SOBRE A ACUSAÇÃO

 

Edi Rock — Foto: Yago Gonçalves / Divulgação

 

Leia, abaixo, a íntegra da nota divulgada por Edi Rock:

 

"Salveee família! Sobre as acusações contra mim nas redes, já foi comprovado pela justiça que é MENTIRA!

 

Os fatos expostos tornaram a narrativa apresentada ilegítima e caluniosa. Meus advogados cientes, tomaram as medidas cabíveis. 

 

Atenciosamente: Edivaldo Pereira Alves".

 

Edi Rock falou em seu Twitter sobre as acusações: "já foi provado pela justiça que é mentira" — Foto: Reprodução/ Twitter oficial Edi Rock

Fotos: Reprodução

 


 



Leia a nota completa da SSP:


O caso foi investigado pela 1ª Delegacia de Defesa da Mulher da Capital. A vítima prestou depoimento na delegacia e outras oitivas foram colhidas ao longo do inquérito que foi relatado à Justiça em 30 de setembro de 2021, não retornando mais à unidade para realização de novas diligências. Após apreciação do Ministério Público, os autos foram arquivados. Detalhes devem ser solicitados ao órgão judicial competente.




Fonte: G1

Comentários

Obrigado por comentar aqui.

Postagem Anterior Próxima Postagem